Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Cerca de 100 mil pessoas morrem anualmente em razão da poluição criada pela demanda de produtos chineses

de Merelyn Cerqueira 0

Porque há uma alta demanda de bens no Ocidente, a China cria e exporta um grande número de produtos todos os anos.

No entanto, a aquisição desses bens mais baratos é feita à custa de muitas vidas humanas, de acordo com informações do Daily Mail. Pesquisadores descobriam que cerca de 100.000 pessoas morrem todos os anos como resultado da poluição criada pela demanda ocidental de produtos chineses.

poluicao-industrial

O estudo, realizado pela Universidade de East Anglia (UEA), no Reino Unido, revelou, pela primeira vez na história, a escala global de mortes prematuras relacionadas à poluição do ar causada pelo comércio internacional. Publicado pela revista Nature, ele revelou também que 3,45 milhões de pessoas morreram em 2007 como resultado da poluição associada ao transporte de bens e serviços em 228 países.

O estudo centralizou sua análise em mortes por doenças cardíacas, acidente vascular cerebral, câncer de pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica. De modo global, 16,3% das mortes atribuíveis foram causadas pela poluição produzida em diferentes regiões. No entanto, as emissões vindas da China causaram mais do dobro do número de mortes observadas em todo o mundo, seguida pela Índia e outras regiões da Ásia.

Basicamente, a poluição da China foi relacionada a mais de 3.100 mortes na Europa Ocidental e EUA, enquanto que, em termos de consumo, EUA e Europa Ocidental são responsáveis por mais de 108.600 mostres prematuras na China a cada ano. Regiões da Ásia Oriental, como Japão e Coreia do Sul, registraram 30.900 mortes relacionadas a poluições emitidas pela China, enquanto que 47.300 mortes na Europa Oriental foram relacionadas com as emissões da Europa Ocidental.

Isto indica que a mortalidade prematura relacionada com a poluição do ar é mais do que apenas uma questão local e os nossos resultados quantificam a extensão em que a poluição do ar é um problema global”, disse o coautor do estudo Dabo Guan, professor de Economia de Clima na UEA. Em nossa economia global, os bens e serviços consumidos em uma região podem implicar na produção de grandes quantidades de poluição e mortalidade em outras regiões”, explicou. Considerando que a China tem a maior população do mundo, os impactos per capita são substanciais: As emissões produzidas por 1 milhão de chineses causaram 770 mortes em todo mundo.

Os autores do estudo sugeriram que os custos da regulação da qualidade do ar deveriam ser divididos com os consumidores de outras regiões. No entanto, evidências sugerem que as indústrias mais poluidoras tendem a migrar para lugares legislações mais flexíveis, o que significa que há um conflito de interesses entre esse esforço para melhorar a questão da poluição e atrair investimentos.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência