Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Você sabia que humanos podem ter pele azul?

de Gustavo Teixera 0

No filme de James Cameron “Avatar”, os Na’vi têm uma deslumbrante pele azul. Mas na vida real, as pessoas podem realmente ter essa cor de pele?  

Sim, acontece, e uma família que vive em Apalache, nos Estados Unidos, tem essa cor de pele. No caso, a pele azul foi causada por uma doença genética rara chamada metemoglobinemia. 

A metemoglobinemia é um distúrbio sanguíneo que faz o corpo produzir uma quantidade anormalmente elevada de metemoglobina, que é uma forma de hemoglobina.

A hemoglobina é a molécula nos glóbulos vermelhos que distribui o oxigênio ao corpo.  Na metemoglobinemia, a hemoglobina é incapaz de liberar oxigênio efetivamente para os tecidos corporais.

As pessoas com o distúrbio têm sangue cor de chocolate e pele azul. Em casos genéticos de metemoglobinemia, o gene recessivo para o transtorno deve ser transmitido por ambos os pais.   

O caso mais famoso de metemoglobinemia vem de seis gerações da família Fugate, que viveu em isolamento nas colinas de Kentucky de 1800 a 1960. A família começou com um órfão da França chamado Martin Fugate que casou com uma mulher de Apalache. Ambos, sem saber, tinham o gene recessivo para os descendentes.

Quatro de seus sete filhos tinham pele azul. A partir daí, os membros da família se casaram, e os genes foram passados de geração em geração, tornando a família azul localmente famosa. Um relato dos Fugates de 1982 diz que sua pele era quase roxa. 

azlpele1

Apesar de ter essa condição, a maioria dos Fugates viveu em nos anos 1980 e 1990 sem problemas de saúde significativos. Quando perguntado sobre a endogamia desenfreada em sua família, Dennis Stacy – um parente distante de Martin Fugate – ofereceu uma explicação simples: Não havia estradas

Normalmente, as pessoas têm menos de 1% de metemoglobinemia no sangue. Quando esses níveis aumentam para mais de 20%, podem ocorrer anormalidades cardíacas, convulsões e até mesmo a morte.

Mas em níveis entre 10 e 20% – que a família Fugate tinha – uma pessoa pode desenvolver pele azul sem quaisquer outros sintomas. Metemoglobinemia também pode ser causada pela exposição a certos medicamentos e produtos químicos, como os anestésicos benzocaína e xilocaína.

O carcinógeno benzeno, e nitritos utilizados como aditivos de carne, também podem ser culpados, assim como certos antibióticos, incluindo dapsona e cloroquina. 

Algumas pessoas ficam com a pele azul de outra maneira: intoxicação por prata, conhecida como argiria. 

A argiria ocorre quando as pessoas são expostas a pó de prata, e o sintoma mais comum é a pele se tornar da cor azulada. Em anos anteriores, antes do advento dos antibióticos, nitrato de prata e prata coloidal foram usados como antissépticos, e essas substâncias também causavam argiria. 

Fonte: LiveScience / Mega Curioso Fotos: Reprodução / Mega Curioso

Jornal Ciência