Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Químico descobre o primeiro novo tom de azul em 200 anos

de Gustavo Teixera 0

Mas Subramanian, um químico e professor da Oregon State University, nos Estados Unidos, tornou-se conhecido em 2009, quando seu laboratório descobriu o primeiro novo pigmento azul, chamado YInMn Blue, em 200 anos.

Agora a empresa Crayola está fazendo um lápis com essa nova cor de azul A descoberta científica foi um acidente feliz.

Em 2009, um estudante em seu laboratório combinou óxidos de ítrio, índio e manganês em um forno.

Quando a equipe tirou a mistura, a substância estava azul brilhante. Antes da descoberta, o químico francês Louis Jacques Thenard foi a última pessoa a descobrir um novo pigmento azul, o azul-cobalto em 1802.

Os consumidores não podem comprar lápis da cor YInMn Blue ainda, mas ele deve estar disponível até o final de 2017, de acordo com a empresa Crayola.

A Shepherd Color Company, que a licenciou a nova cor de Subramanian, está testando os níveis de toxicidade para obter aprovação da Food and Drugs Administration, a agência norte-americana que controla os alimentos e os remédios do país.

O novo azul irá substituir o lápis amarelo Dandelion, que a Crayola aposentou em março. A empresa também está realizando um concurso para nomear a nova cor, uma vez que YInMn Blue é muito difícil de pronunciar. 

“Nós nos esforçamos para manter a nossa paleta de cores inovadoras e em voga, razão pela qual estamos animados para introduzir uma nova cor de giz inspirada pelo pigmento YInMn”, disse Smith Holland, CEO e presidente da Crayola, em comunicado de imprensa.

Uma vez que é produzido a uma temperatura elevada, YInMn Blue é um composto muito estável, isto é, não reage quando aquecido, arrefecido, misturado com água ou ácido.

Quando o laboratório de Subramanian o descobriu, pediu a patente imediatamente. “Foi um acidente feliz, porque não estávamos procurando por ele.A maioria das descobertas científicas vem de um lugar inesperado”, finalizou.

Fonte: IFL Science Fotos: Reprodução / IFL Science

Jornal Ciência