Piratas russos desenterram restos pré-históricos de mamutes para venda no mercado negro

de Merelyn Cerqueira 0

O comércio ilegal do marfim é um dos mais lucrativos do mundo, devido ao alto valor do material. Alguns piratas russos encontraram uma forma de tentar lucrar com isso: eles estão desenterrando – do gelo acumulado há milhões de anos – presas de mamutes que contêm quantidades enormes de marfim.

piratas-russos-vendem-fosseis_02

Em regiões da Sibéria, mais precisamente ao longo da região do rio Yakutia, eles trabalham na busca por esses tesouros, e como é uma região afastada, não há muitos problemas com a polícia.

piratas-russos-vendem-fosseis_07

O fotógrafo neozelandês, Amos Chapple, passou três semanas registrando esse mundo ilegal e repleto de vodca. Segundo ele, as presas de mamute são vendidas por cerca de 34.000 dólares – aproximadamente 109.000 reais – mas, dependendo do tamanho da peça, o valor pode chegar a milhões de dólares.

piratas-russos-vendem-fosseis_03

Mamutes são animais pré-históricos, que há centenas de milhares de anos ele viviam no Hemisfério Norte. E os piratas russos se aventuram em acampamentos, sob temperaturas congelantes e risco de ataques de ursos na procura dessas valiosas presas. Eles cavam o permafrost ou pergelissolo, que é o tipo de solo encontrado na região do Ártico. Mas nem sempre encontram as presas: às vezes encontram apenas restos mortais e ossos de mamutes.

piratas-russos-vendem-fosseis_05

Os caçadores utilizam uma bomba de água que alimenta uma mangueira de alta pressão, e segundo Chapple, a atividade exige muito trabalho duro e pesado.

piratas-russos-vendem-fosseis_04

Como passam muito tempo confinados nesse deserto gelado, os piratas levam um carregamento grande de vodca e se embebedam exageradamente quando não estão procurando por presas de marfim.

piratas-russos-vendem-fosseis_08

Segundo o fotógrafo, essa caça, além de ser ilegal, desestabiliza o ecossistema local, prejudicando muito o meio ambiente: O rio correu como chocolate quente e os peixes foram embora. Se este método de extração das presas continuar a se espalhar, o ecossistema está ferrado”, finalizou Chapple.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ] 

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência