Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jovem chinês vende um rim para comprar Ipad e o outro acaba morrendo

de Otto Valverde 0

O jovem chinês Wang Shangkun, apaixonado por tecnologia, não tinha dinheiro para comprar o seu tão sonhado Ipad.

Na verdade, sua intenção era adquirir também um Ipod, ambos da marca Apple. Em 2011 decidiu, em uma atitude desesperada, vender um de seus rins para o mercado negro.

Agora, em 2019, após 8 anos da atitude impensada, ele sofre por ter perdido o outro rim logo após a cirurgia de retirada, e está internado para que possa conseguir fazer hemodiálise para sobreviver.

Venda de órgãos

A venda ocorreu em 2011, no famoso mercado negro de compra e venda de órgãos do Leste da China, por um valor equivalente a R$ 11,8 mil. O fato foi notícia nos principais jornais do mundo e em milhares de blogs da Ásia.

À época, uma de suas declarações deixou milhões de pessoas chocadas: “Porque preciso de um segundo rim? Um apenas é o suficiente”.

Alguns encararam o ato como um desespero inexplicável, arriscando a saúde por consumismo.

O portal britânico Mirror informou que após a cirurgia de remoção do rim, Wang desenvolveu uma infecção – devido ao local insalubre que ocorreu a cirurgia, além da falta de cuidados básicos de higiene no pós-operatório – ocasionando a insuficiência renal do órgão que ficou.

Com a massiva exposição na mídia, o caso ganhou notoriedade e 9 pessoas foram detidas.

Deste total, 5 foram condenadas à prisão em 2012, entre elas cirurgiões que realizaram o procedimento, quebrando toda e qualquer ética profissional.

Surpreendentemente, a família de Shangkun recebeu mais de R$ 800 mil de indenização pelo ocorrido, mas não está claro o que a família teria feito com o dinheiro, porque logo depois ele foi obrigado a desistir dos estudos por sua doença e vive de benefícios sociais fornecidos pelo governo.

Fonte: Mirror Fotos: Reprodução / Mirror

Jornal Ciência