Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Vídeo: confira o momento impressionante em que meteoro ilumina o céu da Sibéria

de Gustavo Teixera 0

Uma bola de fogo enorme atravessou o céu da Sibéria no início da noite de terça-feira (6 de dezembro), momentaneamente transformando a noite em dia para milhares de pessoas surpresas.

O incrível espetáculo, que ocorreu sobre a República da Cacássia, parte do Distrito Federal Siberiano, é suspeito de ter sido causado por um meteoro queimando ao entrar na atmosfera da Terra. Acredita-se que o objeto não tenha causado impacto na superfície, e relatos de testemunhas sugerem que pode ter explodido enquanto caía.

Fui dar uma volta com meus amigos, paramos na loja e minha amiga gritou quando viu um clarão brilhante, então houve uma explosão. Todos os alarmes do carro imediatamente foram dispararam, nós estávamos muito assustados” disse uma mulher que testemunhou o fenômeno ao jornal local The Siberian Times.

Vários vídeos do evento nas redes sociais mostram a bola de fogo riscando o céu, acompanhada de uma brilhante exibição de luz que temporariamente fez a noite parecer dia. “No começo, eu não conseguia entender o que estava acontecendo, havia uma súbita luminescência, não era claro como o dia, mas ainda era muito brilhante”, disse outra testemunha ao site de notícias russo RT.

Apesar do susto, as autoridades russas minimizaram o incidente, sugerindo que o meteoro foi completamente queimado na atmosfera, possivelmente acima da cidade de Sayanogorsk. “Nós olhamos para a montanha perto de nós… e havia um enorme meteoro voando acima dela, tinha uma cauda, francamente, eu estava com medo, eu pensei que era uma bomba“, disse outra testemunha assustada com o fenômeno.

Às 18h50m, nos distritos do sul da República de Cacássia, um objeto brilhante estava visível no céu. Grupos de trabalho do Ministério de Emergências iniciaram verificações sobre os principais distritos industriais, todos eles estão funcionando normalmente”, disse o Ministério de Emergências em comunicado à imprensa.

Caso fragmentos do meteoro tenham chegado ao solo, as autoridades especularam que teriam desembarcado em uma região chamada Vale Babik, e uma equipe que seria enviada para pesquisar a área. “O meteoro era várias vezes menor que o meteoro de Chelyabinsk, mas seus fragmentos podem ser encontrados”, disse o físico Viktor Grokhovsky da Universidade Federal Ural ao site RT.

Determinar onde eles caíram exigiria cálculo preciso de seu caminho. Isso pode levar um dia ou mais”, completou Grokhovsky. O meteorito de Chelyabinsk entrou na atmosfera da Terra sobre a Rússia em 2013 e explodiu no ar, gerando uma enorme onda de choque estimada como quase 30 vezes mais poderosa do que a bomba atômica detonada em Hiroshima na Segunda Guerra Mundial. Milhares de edifícios foram danificados pela onda de choque, e cerca de 1.500 pessoas ficaram feridas, principalmente por vidro quebrado.

Enquanto os cientistas russos estão atrasados para explicar o último meteoro, pois não há observatórios monitoramento na área, os relatórios de testemunhas sugerem que o objeto tenha sido significativamente menos perigoso. “A julgar pelo fato de que ele queimou ou explodiu antes de chegar à superfície, dificilmente poderia ter mais de 10 ou 15 metros de tamanho e aparentemente não é feito de ferro”, disse Natan Eismont, chefe do Instituto de Pesquisas Espaciais (IKI) da Academia Russa de Ciências, à agência de notícias russa TASS.

Essa avaliação é apoiada por Paul Chodas, da NASA, que gerencia o Propulsion Laboratory’s Near-Earth Object. “Não houve relatos de uma onda de choque que me digam que foi um grande meteoro como o de Chelyabinsk”, disse Chodas ao site The Huffington Post. “Alguma coisa assim provavelmente acontece todos os dias, mas não necessariamente sobre áreas povoadas”, finalizou. Confira o vídeo chocante do meteoro que iluminou o céu dessa cidade na Sibéria:

[ Science Alert ]  [ Fotos: Reprodução / Science Alert ] 

Jornal Ciência