Pai de jovem que cometeu suicídio por bullying na internet convida “valentões” para seu funeral

de Merelyn Cerqueira 0

Amy (Dolly) Everett, uma modelo infantil da Austrália, tinha apenas 14 anos quando recentemente cometeu suicídio por sofrer bullying online.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Seu pai, Tick Everett, que não forneceu detalhes sobre o que exatamente era o assédio, postou em seu Facebook um texto dizendo que embora considerasse o suicídio uma ideia covarde, acreditava que Dolly era incrivelmente forte.

jovem-suicidio

Ele ressaltou ainda que os eventos recentes mostravam exatamente como as redes e mídias sociais não deveriam ser usadas, bem como agradeceu a todos pelo apoio e carinho em meio a difícil situação, segundo informações da Global News.

No entanto, Tick também direcionou algumas palavras aos valentões que atormentaram sua filha e consequentemente provocaram sua morte.

“Se, por acaso, as pessoas que achavam que isso era uma piada e se sentiram superiores pelo constante bullying e assédio, vejam esta postagem, venham ao funeral e testemunhem a devastação completa que vocês criaram”, escreveu ele.

jovem-suicidio_1

Everett acrescentou que espera que sua mensagem conscientize as pessoas sobre os perigos do bullying. “Se pudermos ajudar outras vidas preciosas a não serem perdidas e evitar o sofrimento de tantos outros, a vida de Doll não será desperdiçada”, disse.

Dolly era agenciada pela empresa Akubra, que divulgou uma nota sobre sua morte no dia 9 de janeiro.

“O bullying de qualquer tipo é inaceitável”, escreveu a empresa em sua página no Facebook. “Cabe a nós se impor quando vemos qualquer tipo de comportamento de assédio. Dolly poderia ser a filha de alguém, irmã e amiga”.

Segundo um relatório feito em 2014 pela Statistics Canada, cerca de 17% das pessoas com idades entre 15 e 29 anos já sofreram ciberbullying. Verificou-se ainda que indivíduos com experiências anteriores de intimidação, como agressão física ou sexual, são mais propensos a passar por isso. O ciberbullying também é mais comum em idades mais jovens e dentro da comunidade LGBT.

Fonte: Global News Fotos: Reprodução / Global News

Jornal Ciência