Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

NASA encontra misterioso rastro de material orgânico em nosso maior asteroide

de Julia Moretto 0

A NASA anunciou que sinais de material orgânico foram detectados na superfície do maior asteroide do Sistema Solar, o planeta-anão Ceres.

 

O material foi manchado dentro e ao redor da cratera Ernutet no hemisfério norte de Ceres, usando a nave espacial Dawn da NASAEncontrar evidências de moléculas orgânicas em um asteroide maior que uma nave orbital é um primeiro passo para a exploração espacial. “Esta é a primeira detecção clara de moléculas orgânicas de órbita em um corpo de correia principal“, disse a pesquisadora Maria Cristina De Sanctis do Instituto Nacional de Astrofísica em Roma.

 

No entanto, existem duas características que precisam de atenção: a natureza relativamente frágil das moléculas orgânicas eo fato de que não foram vistas espalhadas por toda a superfície do asteroide. Pesquisas anteriores já haviam mostrado que Ceres possuía os ingredientes elementares certos para moléculas orgânicas, enquanto que sinais de minerais hidratados, carbonatos e amoníaco forneceram evidências de que a água estava ativa sobre e sob a superfície do planeta-anão.

 

No entanto, os materiais manchados pelo espectrômetro de mapeamento visível e infravermelho da órbita espacial (VIR) estavam, na sua maioria, limitados a uma área de aproximadamente 1.000 quilômetros quadrados, com alguns remendos espalhados apenas fora da cratera.A questão imediata é se o material realmente pertence a Ceres.

 

A equipe de pesquisadores descreveu o material orgânico como alifático, o que poderia ajudar a excluir uma das possibilidades.O carbono tende a formar duas grandes famílias de material orgânico: uma na forma de anéis chamados aromáticos eoutra com cadeias descritas como alifáticas.

 

Os anéis aromáticos tendem a ser mais robustos do que as cadeias alifáticas, que se desintegram mais facilmente sob altas temperaturas, sugerindo que tal material não sobreviveria ao impacto de grande energia de um meteorito formador de crateras. Isso se reflete na abundância de aromáticos em meteoritos rochosos de tipo “condrito”, onde as cadeias de carbono são relativamente raras.

 

Além disso, um impacto teria misturado qualquer material estranho na superfície de Ceres, tornando ainda mais improvável que ele seria visto com a distintiva propagação de moléculas orgânicas. Com todos os sinais apontando para a origem nativa dos produtos químicos, a próxima questão é como eles foram espalhados em torno Ernutet. Um indício poderia ser a abundância de carbonatos e argilas na área. Assim como as fontes termais borbulham água para a superfície da Terra, Ceres tem atividade hidrotérmica dentro de sua casca externa fria, salpicando sua superfície com água fortemente saturada com sais e argilas contendo nitrogênio. 

 

De fato, um dos primeiros grandes mistérios do planeta-anão era um número de remendos brilhantes vistos em sua superfície. As manchas foram inicialmente assumidas como gelo de água, mas depois foram identificadas como sais de carbonato de sódio depositados na superfície como salmoura esguichada de um oceano subterrâneo.

 

Esta descoberta acrescenta à nossa compreensão das possíveis origens da água e orgânicos na Terra“, disse Julie Castillo-Rogez, cientista do Projeto Dawn no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, na Califórnia. A pesquisa foi publicada na revista Science.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência