Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Milhares de peixes aparecem mortos em um canal de Nova York e assustam moradores

de Merelyn Cerqueira 0

Imagine acordar em plena segunda-feira de manhã e observar o trecho de um canal que passa próximo a sua casa repleto de peixes mortos. Este foi o cenário que moradores de Long Island, em Nova York, observaram.

Aparentemente, da noite para o dia, grande parte dos peixes do Canal Shinnecock morreu, deixando milhares de cadáveres empilhados, e cobrindo uma boa extensão da água. O evento foi chamado de “peixapocalipse”, e as autoridades locais ainda não sabem explicar o que aconteceu. No momento, cientistas investigam o incidente, segundo informações da Science Alert.

De acordo com Dennis Demarco, um dos residentes da área, a explicação que está sendo considerada pelos cientistas que estão trabalhando no caso é que os peixes não foram mortos pelo acúmulo de algas tóxicas ou resíduos industriais, mas sim pela privação de oxigênio, aparentemente.

Recentemente, fora observada a presença de anchovas – predadores grandes, agressivos e rápidos – no canal pouco antes do incidente, o que sugere que os peixes foram obrigados a se reunir em uma área apertada e, em seguida, ficaram presos quando os portões do canal se fecharam durante a noite. Logo, como não podiam escapar, ficaram presos sem oxigênio.

De acordo com Chris Gobler, da Escola de Ciências Marinhas e Atmosféricas da Universidade de Stony Brook, o canal é uma área confinada, e quando os portões são fechados, a água não se move. “Mesmo quando não há nenhum peixe lá dentro, a água é parada e os níveis de oxigênio caem, talvez não a nível de causar uma matança, mas quando você adiciona os peixes ali, diminui ainda mais os níveis de oxigênio”.

Uma vez que os funcionários viram o que tinha acontecido, rapidamente abriram os portões do canal para corrigir os níveis de oxigênio e abrir passagem para os sobreviventes. Eles disseram que, desde o incidente, nenhuma outra morte foi relatada, o que sugere que este parece ter sido um incidente isolado.

No momento, esforços estão sendo feitos para limpar os milhares de cadáveres que estão se decompondo na superfície e fundo da água. Os investigadores estão monitorando os movimentos dos corpos do alto para terem uma melhor ideia da extensão das mortes. Enquanto os moradores ainda esperam por uma explicação oficial, neste ponto, eles já podem considerar que este não é um problema de saúde pública, embora o cheiro ruim possa causar um certo desconforto.

Ainda, para evitar que algo semelhante ocorra novamente, os operadores dos portões do canal foram instruídos para os deixar abertos por mais tempo nos próximos dias, permitindo que que mais oxigênio seja bombeado nas águas. O Departamento de Conservação Ambiental do Estado está examinando a água para ver se patógenos ou poluição também contribuíram para o incidente.

[ Science Alert ] [ Foto: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência