Intrigante: garotinha mumificada em 1920 e que “abre” os olhos até hoje

de Julia Moretto 0

Na Sicília, há uma múmia de uma menina que morreu em 1920. Porém, o surpreendente é que ela pode ser vista abrindo e fechando os olhos. De acordo com os pesquisadores italianos, há uma explicação perfeitamente razoável para isso.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O fenômeno assustador foi objeto de várias especulações há alguns anos. Nesta semana, jornais italianos relataram novamente que Rosalia Lombardo, uma menina de dois anos que morreu de pneumonia em 1920, move suas pálpebras várias vezes durante o dia. Uma das múmias mais bem preservadas do mundo, Rosalia é a mais famosa entre as 8.000 mil múmias que revestem as catacumbas sob o Convento dos Capuchinhos, em Palermo, na Sicília.

mumia-que-abre-os-olhos_1

Apelidada de “bela adormecida”, ela parece um bebê de 2 anos tirando uma soneca. Envolvida por um cobertor, seu rosto é enquadrado em seu cabelo loiro encaracolado, enquanto uma fita ainda está amarrada em torno de sua cabeça.

mumia-que-abre-os-olhos_2

Surpreendentemente, Rosalia não abre e fecha os olhos. “É uma ilusão de ótica produzida pela luz que chega através das janelas laterais, que durante o dia está sujeita a mudanças”, disse Dario Piombino-Mascali, curador das Catacumbas dos Capuchinhos. Ele percebeu que a múmia foi movida ligeiramente e deslocada para uma posição horizontal em um caixão de vidro sem umidade. A nova posição deixa as pálpebras de Rosália mais evidentes. “Elas não estão completamente fechadas, porém nunca foram”, disse Piombino-Mascali.

O antropólogo revelou o verdadeiro segredo de Rosalia em 2009, quando encontrou a fórmula misteriosa usada para sua preservação. Enquanto a maioria das múmias enterradas nas catacumbas foram tratadas pelos monges e basicamente desidratadas pelo ambiente seco, Rosalia foi mumificada artificialmente. Para preservá-la, o pai de Rosalia pediu ajuda a Alfredo Salafia, um taxidermista siciliano e embalsamador que morreu em 1933. Salafia nunca revelou os produtos químicos usados ​​.

Em 2009 Piombino-Mascali encontrou um manuscrito em que Salafia enumerou os ingredientes usados ​​para mumificar Rosalia. “Uma parte de glicerina, uma parte de formalina saturada com sulfato de zinco e cloreto e uma parte de uma solução de álcool saturada com ácido salicílico”, continha na descrição da fórmula.

O procedimento foi muito simples, consistindo de uma injeção sem qualquer drenagem ou tratamento interno. A mistura funcionou perfeitamente. A formalina matou bactérias, a glicerina manteve seu corpo intacto, o ácido salicílico matou os fungos e os sais de zinco petrificaram o corpo de Rosalia.

Foi projetado para bloquear qualquer bactéria ou fungo, graças a um filme especial que também protege o corpo dos efeitos da luz”, disse Piombino-Mascali sobre o recipiente em que Rosalia se encontra atualmente. Ele espera que de agora em diante os turistas parem de tirar fotos e de inventar absurdos sobre a pequena múmia. Este artigo foi publicado originalmente no Discovery News.

[  Gizmodo ] [ Fotos: Reprodução / Gizmodo ]

Jornal Ciência