Não acredite em seus olhos: os morangos da imagem não são vermelhos

de Gustavo Teixera 0

Dois anos atrás, um vestido azul trouxe ao mundo uma discussão sobre percepção de cor, e em novembro do ano passado, um par de chinelos azul e preto dividia opiniões em todo o mundo.

 

Agora, um psicólogo japonês criou outra ilusão de cor trocando os pixels vermelhos por pixels cinzentos em uma foto de uma torta de morango, demonstrando mais uma vez que o cérebro tem a palavra final sobre a cor. Akiyoshi Kitaoka da Universidade Ritsumeikan, no Japão, provocou uma tempestade de dúvidas recentemente publicando uma foto com filtro de uma torta de morango dizendo que não havia pixels vermelhos na imagem, ao contrário do que poderia parecer.

 

Os entrevistados argumentaram que ainda havia tons vermelhos na imagem, com equipes recorrendo ao Photoshop em busca de provas. Para poupar algum tempo, veja uma imagem comparando uma versão sem filtro com a foto de morangos “cinzas” com filtro:

strawberry_comparison

Como você pode ver, na imagem à direita, os morangos avermelhados são cinzas de perto. Caso você tenha perdido a polêmica do vestido de fevereiro de 2015, esses tipos de ilusões são evidências de um fenômeno chamado constância de cor. Isso ocorre porque nosso cérebro descobre a cor das coisas descontando a cor da fonte de luz“, disse Juno Kim, da University of New South Wales.

 

O que se percebe como diferentes cores são diferentes são os comprimentos de onda de luz entre a gama de cerca de 390 a 700 nanômetros. Em termos mais complexos, diferentes comprimentos de onda fazem três tipos de fotorreceptor dentro de seu olho enviar sinais únicos ao córtex visual do seu cérebro, que combina essas informações com outras pistas sobre sua situação para produzir uma experiência que é chamada de cor.

 

Este é um truque realmente útil, pois permite que o seu cérebro compense a mudanças de luz que poderiam criar confusão. Por exemplo, a luz solar brilhante em um dia claro contém comprimentos de onda mais curtos que normalmente seriam vistos como a cor azul, em comparação com a luz produzida por uma fogueira, ou uma lâmpada incandescente.

 

Olhando para um objeto sob a luz do sol, se destacam mais aqueles comprimentos de onda curtos para o seu olho, enviando uma mistura diferente de sinais para o cérebro e, teoricamente, produzindo uma experiência de cor diferente da que se tem à noite. Em resposta, nossos cérebros melhoraram a habilidade de perceber quando há um pouco de luz azul demais e ignorá-la.

Nosso cérebro calcula toda essa informação para explicar a iluminação e, essencialmente, vê o vermelho, o que nos proporciona a habilidade de ver as cores quase invariáveis ​​em todas as mudanças nas condições de iluminação, como ao ar livre versus interior“, disse Kim. Enquanto Kitaoka removeu a maioria das cores mais quentes, usando um filtro que trocou os comprimentos de onda mais longa para ondas mais curtas, o cérebro parcialmente “desfaz” esse processo quando olhamos para a imagem, removendo o azul para deixar um vermelho um pouco convincente.

 

A própria pesquisa de Kim explorou por que o mesmo objeto pode parecer brilhante ou transparente, dependendo do posicionamento de seus pontos mais brilhantes e luzes. Isso demonstra que o sistema visual aprendeu a confiar na orientação do horizonte, e se os destaques brilhantes estão na parte superior ou inferior de um objeto, para descobrir se os objetos são transparentes ou opacos. Isso mostra que o nosso cérebro está perguntando: ‘Qual é o caminho?” disse. É uma ironia que a melhor maneira de aprender como funciona nosso cérebro é forçá-lo a falhar.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
error: Proibida a cópia sem autorização.