Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Conheça os primeiros filhotes de cães gêmeos idênticos registrados no mundo

de Otto Valverde 0

Os primeiros gêmeos idênticos caninos chegaram ao mundo! Uma cadela da raça Lébrel acaba de dar à luz a essa dupla fofa! O parto foi realizado pelo veterinário Kurt de Cramer, no Rant en Dal Animal Hospital, na África do Sul.

Os gêmeos monozigóticos, ou idênticos, são raros em diversos mamíferos, exceto seres humanos e tatus. Antes do nascimento dos cães, só havia registro desses casos em cavalos e porcos.

caes-gemeos_01

A prova

Segundo Cramer ao realizar a cesariana e retirar os filhotes da mesma placenta, ele desconfiou que se tratavam de cães monozigóticos. “Quando percebi que os filhotes eram do mesmo sexo e tinham marcas muito semelhantes, eu imediatamente suspeitei que poderiam ser gêmeos idênticos”, comentou ao portal BBC News.

caes-gemeos_02

Porém um fato chamou atenção do especialista. Os cães não eram totalmente idênticos e tinham diferentes marcas em suas patas, cauda e peito. Como cães filhotes de uma mesma mãe normalmente são semelhantes, eles necessitavam de mais provas.

Para confirmar a suspeita, Cramer colheu amostra de sangue dos animais com duas semanas de vida e enviou para os especialistas reprodutivos Carolynne Joone, da Universidade James Cook (Austrália), e Johan Nöthling, da Universidade de Pretória (África do Sul). Após as análises, confirmaram que os perfis de DNA dos cães eram idênticos nos 40 marcadores genéticos.

Esse foi o primeiro relato de cães gêmeos monozigóticos identificados por DNA. Assim como acontece com os humanos, os animais podem ser gêmeos idênticos sem muitas características semelhantes. Isso acontece porque os genes que codificam certas diferenças físicas podem ser apresentados de maneira diferente.

Por que esse fenômeno é raro em outros mamíferos? 

A chance de humanos terem gêmeos idênticos é de 1 em 330! Por que esse fenômeno é tão raro com outros animais? Segundo pesquisas, não é possível afirmar ao certo, mas há hipóteses de que gêmeos monozigóticos não sejam incomuns no momento da concepção, apenas não completam seu desenvolvimento. Uma gravidez de gêmeos requer muito da mãe, já que eles precisam se ajeitar na mesma placenta, compartilhar nutrientes, etc.

Fetos de gêmeos idênticos foram identificados em cavalos, porém nenhum sobreviveu. Basicamente, a placenta de uma égua não consegue transportar oxigênio para dois fetos.

Outra possibilidade é que esse fenômeno não seja assim tão raro. Ou seja, não é apenas por que esses filhotes foram os únicos identificados, que eles tenham sido os primeiros. É só pensar em quantos filhotes nascem nas ruas ou sem o acompanhamento dos donos ou veterinários

[ Science Alert ] [ Foto: Reprodução / Science Alert / Kurt de Cramer ]

Jornal Ciência