Cientistas descobrem duas zonas de falhas geológicas sob a Califórnia

de Gustavo Teixera 0

Os pesquisadores descobriram duas zonas de falhas separadas abaixo do sul da Califórnia. Este problema faz parte de um sistema de “mega falha”.

Quando eles investigaram a possibilidade de todas as partes do sistema de falhas recém-descobertas se romperem de uma só vez, eles descobriram que poderia desencadear um terremoto de magnitude 7,4 em todo o caminho de Los Angeles a San Diego. 

Um terremoto desse tamanho seria 30 vezes mais poderoso do que o terremoto de 6,4 quilômetros de Long Beach, que matou 120 pessoas em 1933.

Para uma perspectiva mais recente, um relatório do US Geological Survey de 2008 descobriu que um terremoto de magnitude 7,8 sobre a falha sul próxima de San Andreas poderia causar mais de 1.800 mortes, 50.000 feridos e US$ 200 bilhões em danos. Interrupções de infraestrutura, como seis meses de sistemas de esgoto comprometidos e incêndios, também seriam uma preocupação.

“O tamanho de um terremoto está diretamente relacionado ao comprimento da falha que está se rompendo – quanto mais tempo de falha, maior o terremoto”, disse o pesquisador principal do novo estudo, Valerie Sahakian do US Geological Survey, em entrevista ao New York Times. 

Pesquisas anteriores haviam sugerido que as duas zonas de falha de Newport-Inglewood e Rose Canyon estavam separadas por intervalos de até 4,8 km, e por mais de 30 anos pesquisadores assumiram que elas não estivessem conectadas.

Mas o estudo observou que as aberturas não eram maiores do que 2 quilômetros em seu ponto maior, sugerindo que as zonas da falha estivessem ligadas. 

Partes das zonas de falhas correm debaixo d’água, razão pela qual os cientistas tiveram dificuldades em descobrir isso. Mas a nova pesquisa analisou as ondas acústicas do fundo do mar.

Os cientistas combinaram esses dados com levantamentos sísmicos anteriores e descobriram que as linhas de falha não eram tão distintas quanto se supunha anteriormente.

“Quatro principais falhas são identificadas no mar, separadas por três principais declives, todos com uma largura de 2 km ou menos”, escreveram os pesquisadores. “Estudos empíricos de rupturas históricas em todo o mundo mostram que os terremotos se romperam através de passagens com esse deslocamento”.

Mas há boas e más notícias sobre o dado recém-identificado. A má notícia é que a sua proximidade com a costa significa que, no caso de ruptura, há uma grande chance de liquefação da terra.

“O que significa que haverá uma série de prejuízos para todos os tipos de estruturas costeiras ou cais”, disse o sismólogo Egill Hauksson, que não estava envolvido na pesquisa. 

A boa notícia é que a chance de todo o sistema de falhas sucumbir imediatamente é bastante improvável. Os dados sugerem que todas as partes dos fios da falha não romperam simultaneamente em mais de 11.000 anos.

A terra em torno da falha de San Andreas está se movimentando a uma taxa de mais de 2,5 cm por ano, levando os cientistas a rotularem-na como “trancada, carregada e pronta para rolar”. 

Em contraste, a falha de Newport-Inglewood / Rose Canyon está apenas se movendo em torno de um décimo desse valor anualmente. “Essas falhas estão se movendo muito lentamente em comparação com as San Andreas, então a probabilidade é muito pequena – mas ainda está lá”, disse Hauksson ao LA Times.

Agora que os cientistas sabem mais sobre o sistema de falha única recém-identificado – e têm uma melhor compreensão do que mais está por baixo da Califórnia – eles esperam ser capazes de prever com mais precisão e se preparar para terremotos no futuro.

A pesquisa foi publicada em The Journal of Geophysical Research.

Fonte: Science Alert Fotos: Reprodução / Science Alert

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
error: Proibida a cópia sem autorização.