Ciência pode ter errado sobre os sexos dos dinossauros

de Julia Moretto 0

Quando se trata de identificar quais os restos de dinossauros vêm de um macho ou uma fêmea, paleontólogos precisam analisar o tamanho e forma dos ossos para responder à questão.

Mas um paleontologista acha que os pesquisadores podem ter se apressado em suas avaliações, alegando que a falta de evidências que suportam diferenças sexuais em muitos dinossauros previamente estudados pode mudar as respostas. 

A diferença de sexo em todo o reino animal é bastante comum, especialmente entre os crocodilos e aves, então não haveria razão para pensar que os dinossauros seriam exceção.

Mas um especialista em dinossauros no Museu Canadense da Natureza acha que o registro fóssil não tem realmente apoiado isso.

“Não estou dizendo que os dinossauros não fossem dimórficos, mas estou dizendo que não há evidência fóssil existente que sugira que eles foram. Ainda não há uma conclusão”, diz o paleontólogo Jordan Mallon. 

Mallon voltou nos periódicos para encontrar alegações passadas de dimorfismo sexual e avaliou criticamente seus tamanhos de amostra e modelos estatísticos. 

Enquanto uma série de estudos sugerem alguma forma de tamanho ou diferença de folhos entre dinossauros, como terópodes, estegossauros e ceratopsianos, apenas alguns forneceram dados suficientes para serem testados. 

“Somente os métodos de modelagem estão livres desse pressuposto e devem ser usados ​​para estudar o dimorfismo sexual no registro fóssil”, escreveu Mallon em seu artigo. 

Embora nada disto refute categoricamente as afirmações feitas por paleontólogos sobre as diferenças de tamanho e forma entre os dinossauros do sexo masculino e feminino, ele nos coloca de volta no quadrado um onde temos apenas hipóteses não apoiadas. 

Este é apenas um único estudo, por isso temos que esperar para ver como o resto da comunidade de Paleontologia responde antes de decidir se é hora de derrubar as pesquisas anteriores.

Como os pássaros, os dinossauros fêmeas do tipo aviário provavelmente tinham uma camada de tecido chamada osso medular dentro de algumas das cavidades do esqueleto, que contribuíram com o cálcio para a produção de ovos, fornecendo uma evidência que poderia vincular outras características a um determinado gênero.

No entanto, em sua maior parte, evidência fóssil definitiva separando os sexos é rara. Em 2010, os pesquisadores sugeriram que Torosaurus e Tricerátopo seriam apenas dois estágios de vida diferentes na mesma espécie, uma alegação que foi posteriormente contestada. Pesquisa publicada originalmente em Paleobiology.

Fonte: Science Alert Fotos: Reprodução / Science Alert

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência