Você sente dores durante o sexo? Ginecologista revela os motivos

de Merelyn Cerqueira 0

Embora o sexo deva ser considerado uma experiência prazerosa, inúmeras mulheres secretamente experimentam desconforto durante a relação.

 

Ainda, muitas delas se sentem demasiado envergonhadas para procurar ajuda e apenas se acostumam com a situação. Por outro lado, a boa notícia é que, para a grande maioria, há uma explicação simples para o problema, conforme relatado pela ginecologista Dr.ª Gabrielle Downey, de Birmingham, Inglaterra, em um artigo para o Healthista.

 

Dor NA ENTRADA da vagina

A dor de entrada vaginal geralmente é causa por infecção, portanto, é essencial procurar ajuda médica. Outras causas menos comuns envolvem distúrbios cutâneos, como líquen escleroso – um distúrbio de pele semelhante ao eczema que pode ser tratado com cremes esteroides – e vestibulite vulvar (ou vulvodínia), que ocorre quando o tecido da entrada vaginal está inflamado. Ambas as condições requerem acompanhamento ginecológico.

 

A vestibulite, embora seja difícil de ser identificada, é caracterizada por uma dor intensa durante a penetração, bem como sensação de ardor após o sexo. Embora possa ser facilmente tratada, ela primeiramente deve ser reconhecida. No entanto, na maioria das vezes as mulheres, e até mesmo médicos, acreditam se tratar apenas de um pequeno incômodo.

 

Dor sentida APENAS na vagina

Neste caso, a dor pode ser causada por um problema na bexiga, uretra ou hímen rígido (que não é fino o suficiente para abrir durante a relação sexual). Ainda, pode ser resultado de bandas vaginais, que são como pontes de tecidos existentes dentro da vagina; acumulação de líquidos ou problemas na glândula Bartholins – responsável pela produção da mucosa para lubrificação durante o sexo.

 

Dor sentida DENTRO E ALÉM da vagina

Isso normalmente significa que há um problema nos órgãos pélvicos, como o colo do útero, ventre, tubos, ovários e tecidos circundantes. Mais uma vez, eles requerem acompanhamento ginecológico, com a realização de análises de amostras de todos os órgãos envolvidos para determinação de uma causa.

 

Se uma infecção for determinada, provavelmente poderá ser tratada com antibióticos prescritos pelo médico. Ainda, exames periódicos devem ser feitos após a cura para garantir que o problema de fato foi resolvido. A infecção pélvica, por exemplo, pode resultar em infertilidade, portanto, é essencial que seja tratada.

Uma das causas mais comuns para essas dores é a endometriose, uma condição que provoca desconfortos na região do útero, como cólicas. Ela só pode ser diagnosticada por um procedimento chamado laparoscopia, em que um especialista realiza exames de varredura no pé da barriga. É causada pelo sangue menstrual que sai dos tubos uterinos e se adere aos tecidos, provocando intensas cólicas durante o período menstrual. Há ainda a possibilidade de um cisto nos ovários. Embora a maioria deles sejam pequenos, benignos e simples de serem tratados, ainda é essencial acompanhamento ginecológico.

 

As fibroides uterinas (ou miomas) também podem causar dor durante o sexo. Causadas por pedaços benignos de cartilagem que crescem no músculo do útero, as mulheres podem aprender a conviver com o problema. Basta apenas ser corretamente aconselhada sobre as melhores posições para evitar a dor, dependendo da localização do mioma. O mesmo ocorre para os casos de ventre dobrado. Este também raramente requer uma cirurgia, chamada de ventro suspensão. 

 

Dor após a menopausa

As dores sexuais que mulheres sentem no período pós-menopausa podem ser causadas pela falta de estrogênio. O problema pode ser facilmente tratado com pomadas à base de hormônios.Em casos mais raros, as dores podem ser causadas por uma inflamação vaginal chamada líquen plano. Ainda, condições não ginecológicas podem resultar nas dores, como uma síndrome do intestino irritável, infecção da bexiga e apendicite, todas tratáveis se realizado acompanhamento médico adequado.

[ Healthista ] [ Fotos: Reprodução / Healthista ]

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência