Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Atual inatividade solar surpreende especialistas

de Merelyn Cerqueira 0

Recentemente, a NASA divulgou imagens mostrando o Sol estranhamente inativo e com uma única mancha em sua superfície.

Este foi considerado o menor nível de atividade solar já visto desde 2011 e, embora o Sol esteja apenas no meio de seu ciclo de 11 anos – e a cinco anos da ocorrência de seu próximo mínimo solar – por alguma razão, sua atividade está surpreendentemente reduzida, segundo informações da Science Alert.

inativividade-solar_02
Imagem real do Sol divulgada pela NASA

A atividade solar é medida pela quantidade de manchas presentes na superfície do Sol. Elas são consideradas marcas escuras e visíveis que indicam as áreas onde o campo magnético da estrela é mais forte – milhares de vezes mais forte do que o campo magnético da Terra. Eventualmente, toda essa energia magnética é liberada em forma de poderosas machas solares, que nada mais são do que breves e intensas explosões de radiação de alta energia. Logo, quando estão voltadas para nosso planeta, podem interromper sistemas de comunicação de rádio e causar auroras espetaculares nos polos da Terra – o que de fato ocorreu em outubro deste ano.

Desde então, o Sol ficou estranhamente calmo. Imagens registradas pela NASA entre os dias 14 e 18 de novembro mostravam uma estrela quase inteiramente limpa e sem manchas. Contudo, este não é um caso de maiores preocupações, ainda. Os pesquisadores sabem que o Sol possui um ciclo de atividade que pode durar até 11 anos, e seu pico mais recente ocorreu no início de 2014, o que significa que uma redução de atividade ainda é considerada normal. Enquanto se espera que o próximo nível mínimo solar ocorra daqui a cinco anos, em 2021, ainda não está claro o porquê de uma redução de atividade tão precoce.

A boa notícia, por outro lado, é que esses picos de inatividade não são incomuns – embora a atividade solar esteja vivendo uma tendência descendente no momento. Em junho deste ano, o Sol também experimentou um período estranhamente calmo, eventualmente sendo seguido de manchas e tempestades solares intensas.

Ainda, vale lembrar que o período solar por que passamos está se configurando como o mais fraco dos últimos 100 anos, logo, alguns períodos de inatividade já são esperados. Conforme explicou o Solar Dynamics Observatory (SDO), da NASA, em um comunicado, “sem dúvida, mais e maiores manchas solares aparecerão, inevitavelmente, mas teremos de esperar e ver”.

De acordo com o físico solar Tony Phillips, em entrevista ao LA Times, ainda entendemos muito pouco sobre os processos que governam nossa estrela. “Os físicos solares realmente não fazem ideia do que está acontecendo com o Sol”, disse. “Nós simplesmente não sabemos como prevê-lo”.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert / Space Facts / Daily Mail ]

Jornal Ciência