Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Astrônomos descobrem enorme “protuberância” na atmosfera de Vênus

de Merelyn Cerqueira 0

Em dezembro passado, utilizando a sonda japonesa Akatsuki, astrônomos descobriram uma enorme protuberância em forma de arco na atmosfera superior de Vênus. Agora, eles estão tentando explicar como ela poderia resistir aos poderosos ventos de ácido sulfúrico, capazes girar mais rápido do que o próprio planeta, conforme relatado pela Science Alert.

 

A melhor suposição dos cientistas até agora é que a estranha estrutura de 10.000 quilômetros de comprimento, que se estende pelos polos de Vênus, seja resultado do que poderia ser a maior onda de gravidade já testemunhada no Sistema Solar. No entanto, há um pequeno problema com a teoria: cientistas não acreditam que ondas de gravidade seriam capazes de se formar em uma região tão alta da atmosfera.

 

A sonda verificou que durante quatro dias seguidos, a formação dominou a atmosfera incrivelmente quente e densa do planeta. Localizada a 65km acima da superfície, ela permaneceu estranhamente imóvel, mesmo em face aos lendários ventos de Vênus, que podem atingir até 359 km/h. Então, assim como surgiu, desapareceu de cima das nuvens, deixando os cientistas mais intrigados.

 

Ainda, enquanto a sonda espera pacientemente pelo reaparecimento da estrutura, a nave espacial Venus Express, da Agência Espacial Europeia (ESA), detectou uma série de formações semelhantes durante sua missão de 10 anos no espaço, o que aumentou ainda mais a pressão para os astrônomos explicarem o peculiar fenômeno.

venus-bulge_2

A equipe sugere que todas as evidências apontam para uma onda de gravidade maciça, algo que ocorre quando um material fluido, como um líquido, gás ou plasma, é empurrado para fora de uma posição de equilíbrio. Dada a intensa velocidade e forma dos ventos de Vênus, feitos de ácido sulfúrico, essa seria a única estrutura capaz de resistir a tudo isso, embora ninguém tenha predito que poderiam crescer tanto. O presente estudo mostra evidências diretas da existência de ondas de gravidade estacionárias e mostra ainda que tais ondas podem ter uma escala muito grande – talvez a maior já observada no Sistema Solar”, relatou a equipe.

 

Como se formam as ondas de gravidade?

Primeiramente, considere que ondas de gravidade e ondas gravitacionais são inteiramente diferentes. As ondas gravitacionais são ondulações no espaço-tempo detectadas diretamente no início de 2016, embora Albert Einstein tenha predito sua existência há mais de 100 anos. As ondas de gravidade, por sua vez, são muito mais simples e existem aqui na Terra. Basicamente, é apenas uma ondulação ou perturbação na densidade da atmosfera de um planeta.

venus-bulge_3

Acredita-se que a onda de gravidade maciça de Vênus tenha se formado devido às regiões montanhosas do planeta. Logo, conforme explicado pela Wired, se o vento corre sobre uma superfície desigual – como uma cordilheira irregular ou até mesmo um turbulento oceano – uma tensão é criada entre as partículas de ar que querem se mover para cima, enquanto a gravidade insiste em puxá-las para baixo.

 

Essa tensão para criar um equilíbrio é o que causa as ondas de gravidade na Terra, como nos Andes e na Patagônia. A equipe da Akatsuki acredita que não é coincidência que o mesmo fenômeno continue aparecendo sobre as montanhas de Vênus. Eles sugerem que os ventos de superfície no planeta desencadearam a formação das ondas quando atingiram a montanha Aphrodite Terra, de 4.500 metros de altura.

 

Nós supomos que as montanhas sejam a chave para gerar as ondas de gravidade estacionárias, porque a maioria dos arcos – e encontramos mais de 15 arcos até agora – apareceu acima dos planaltos e seus centros” disse o pesquisador Makoto Taguchi da Universidade Rikkyo.

 

Embora os pesquisadores estejam confiantes sobre a explicação, a verdade é que muitas questões ainda permanecem em aberto. Por exemplo, como as ondas de gravidade conseguiram se formar em um ponto tão acima da superfície?

O estudo em questão foi publicado recentemente na revista Nature Geoscience.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência