Aokigahara: 10 fatos sobre a “floresta do suicídio” no Japão

de Merelyn Cerqueira 0

À base do Monte Fuji, no Japão, há um local chamado Aokigahara. Trata-se de uma floresta, que embora comum, é conhecida por um motivo bastante sinistro. 

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Mais de 100 corpos são encontrados ali todos os anos, além de bilhetes de suicidas, cordas penduradas pelas árvores, vestígios de rituais satânicos e até mesmos “manuais” suicidas, de acordo com uma reportagem feita pela Vice.

Embora o suicídio seja um assunto problemático que envolve depressão e outros ônus psicológicos, a floresta se tornou um tema muito comentado no mundo. De fato, ela chegou a inspirar alguns filmes de terror. Abaixo você confere alguns fatos assombrosos sobre Aokigahara.

1 – É comum no Japão

Não podemos afirmar qual exatamente é a realidade que enfrentam os japoneses para que um grande número de pessoas opte por encerrar a própria vida. No entanto, o que deve ser notado é que a taxa de suicídio no país é a mais alta do mundo. Uma pesquisa mostrou que mais de 50% dos que tentaram suicídio tinham perdido o emprego, o que mostra o grande impacto da pressão social na cultura japonesa pelo sucesso profissional e financeiro. 

2 – No Japão, suicídio não é desonroso

Em muitas religiões, o ato de tirar a própria vida é passível de punição. No Japão, por outro lado, este aparentemente não é um estigma, tendo em vista que a arte e literatura japonesa exalta o suicídio como um meio nobre de acabar com a vergonha.

No país foram bem propagados rituais como o haraquiri e os famosos pilotos kamikazes – nome dado aos pilotos de aviões japoneses carregados de explosivos cuja missão era realizar ataques suicidas contra navios dos Aliados nos momentos finais da campanha do Pacífico na Segunda Guerra Mundial.

3 – Origem do uso pode estar em livro

Uma das teorias sobre o uso de Aokigahara envolve um romance chamado “Kuroi Jukai”, de Seicho Matsumoto, publicado em 1960. Nele é descrita a história de dois jovens amantes que acabam cometendo suicídio na floresta. 

O curioso, no entanto, é que o autor só escolheu o lugar para dramatizar sua história. Ele já sabia que a floresta havia sido usada para algumas mortes. O lugar era considerado calmo e tinha como vista final o sempre espetacular Monte Fuji. No entanto, após a publicação do livro, a floresta se tornou negativamente mais popular.

4 – Manual diz ser melhor lugar para cometer suicídio”

De acordo com uma muito controversa publicação de 1993, intitulada “Manual do Suicídio”, escrita por Wataru Tsurumi, a floresta de Aokigahara é o melhor lugar do mundo para tirar a própria morte – o que estimulou ainda mais o problema.

5 – Autoridades tentam prevenir as mortes

Logo na entrada de Aokigahara é possível ler em uma placa: “Sua vida é um dom precioso dado por seus pais. Por favor, pense em seus pais, filhos e parentes. Não se feche. Fale sobre seus problemas. Entre em contato com a Associação para a Prevenção do Suicídio”.

A placa se soma as dezenas de câmeras e guardas florestais que foram colocados no lugar em uma tentativa das autoridades de impedir que as pessoas tirem a própria vida. De fato, graças a iniciativa, houve uma redução de 20% nas tentativas.

6 – Cadáveres que nunca serão encontrados

A floresta de Aokigahara é tão densa e cheia de labirintos que é possível que, aqueles que caminharam por horas para encontrar lugares inacessíveis, nunca tenham seus corpos recuperados. Regularmente, os guardas da floresta realizam caminhadas de buscas para localizar restos mortais esquecidos.

7 – Aokigahara é uma floresta estranha

E isso tem muito a ver com sua geografia, que guarda muitas encostas, barrancos, grutas, fendas, árvores que crescem de maneira ondulante e muita névoa. Tudo isso se une para compor um cenário que exala estranheza e mistério.

8 – Há dois métodos mais usados

A maneira que as vítimas normalmente escolhem para tirar a própria vida na floresta é por meio de suspensão em cordas. Em segundo está o envenenamento por drogas ilícitas e medicamentos.

9 – Voluntários fazem buscas dentro da floresta

Desde os anos 70, uma vez por ano, um grupo de voluntários se reúne na floresta para encontrar corpos. O objetivo deles é dar as famílias uma oportunidade de enterrar seus parentes.

10 –  O campo magnético de Aokigahara

Curiosamente, o chão da floresta é muito rico em ferro, e os campos magnéticos são tão alterados que usar bússola ou GPS no local é complicado.

Por essa razão, as autoridades não apoiam as buscas voluntárias de cadáveres, uma vez que muitas pessoas acabam se perdendo.

Fonte(s): Super Curioso Imagens: Divulgação

Jornal Ciência