Saiba porque as arraias são capazes de matar seres humanos

de Julia Moretto 0

Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

A vida marinha é realmente muito surpreendente. Ainda mais porque conhecemos um pouco mais que 1% dos oceanos. Mas dentro do conhecemos, não há quem não tema as arraias.

 

Apesar dos diferentes tamanhos, as arraias atacam sempre da mesma maneira. Chamado de aguilhão, o mecanismo fica localizado próximo a cauda com um espinho com lados serrilhados e voltado diretamente para o corpo do peixe. Há uma glândula de veneno na base do espinho e um revestimento que cobre todo o mecanismo do aguilhão.  Para que possa atacar, a arraia necessita estar à frente de sua vítima. Quando o aguilhão entra no corpo da vítima, a pressão faz com que o revestimento protetor rasgue e o veneno seja liberado.

arraias

O veneno do animal não é necessariamente fatal, porém causa dores intensas. Sua substância é composta por enzimas 5-nucleotidase, fosfodiesterase e pelo neurotransmissor serotonina. A serotonina faz com que a musculatura lisa de contraia e deixe o veneno mais doloroso. Já as enzimas provocam a morte das células e dos tecidos. Após um ataque, a área deve ser tratada urgentemente para que não haja necessidade de amputação. Caso o veneno penetre no abdômen ou na cavidade torácica, a vítima pode morrer.

 

Entretanto, a parte mais destrutiva do animal são as farpas e espinhos. A ponta penetra no corpo de maneira fácil e pode causar danos severos. Mesmo se não existisse o veneno, a força de um espinho no peito ou no abdômen de um humano, o levaria à morte.

[ Diário de Biologia ] [ Fotos: Reprodução / Diário de Biologia ]

Jornal Ciência