Professora de comissários de bordo diz por que você nunca deveria usar papel higiênico do avião

de Redação Jornal Ciência 0

Uma professora de comissários de bordo de Miami, EUA, resolveu contar detalhes que poucos passageiros sabem sobre a hora de ir ao banheiro dentro de um avião.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Brenda Orelus revelou alguns segredos que rolam, entre os comissários, em sua conta na rede social TikTok (flightbae.b). Ela explicou para os seus mais de 80.000 seguidores que o papel higiênico costuma ser muito sujo, por mais que pensemos estar limpo.

Brenda explicou que, o mais correto e higiênico, seria o passageiro utilizar o papel toalha para limpar e tocar suas partes íntimas.

Ela explica que, em turbulências, garotos que estão no banheiro fazendo xixi, costumam apontar o jato de urina para todos os lados, e quase sempre cai no rolo de papel higiênico.

“Isso geralmente acaba indo parar no papel higiênico, então, se você não quer esse tipo de coisa em suas regiões íntimas, use lenços de papel”, diz.

Ela acrescentou que o papel toalha é muito mais higiênico de ser usado. Por estar em uma posição mais alta, a chance de cair urina é quase zero. Brenda enfatizou mais uma vez: “É mais limpo, então use papel toalha em vez do papel higiênico”.

Eles sabem tudo?

Você também deve ter cuidado com o que faz no banheiro — um comissário anônimo, membro da tripulação de cabine de uma famosa companhia aérea, deu a declaração ao portal da BuzzFeed nos EUA.

“Os banheiros ficam perto de onde nós nos sentamos. Não importa o quanto você tente esconder o fato de que está cagando, faz um barulho diferente do xixi, então sempre sabemos”, disse.

Erika Roth, ex-comissária de bordo que voou nas principais companhias norte-americanas, ressaltou que, quando o assunto é banheiro, um dos maiores medos dos passageiros é ser sugado pelo vaso sanitário, algo completamente impossível.

Outro ponto citado por Erika é sobre a tranca. Muitos passageiros com claustrofobia têm medo de que a porta fique trancada e não consigam sair imediatamente quando quiserem.

Existe uma tranca secreta na parte externa da porta, permitindo aos comissários abrirem, mesmo trancada por dentro. Isso é necessário para casos de emergência, como convulsões e desmaios, além de atos ilícitos.

Fonte(s): New York Post / BuzzFeed Imagens: Reprodução / Redes Sociais

Jornal Ciência