Conheça a história da comissária de bordo indiana que salvou 360 pessoas antes de morrer

de Merelyn Cerqueira 0

Neerja Bhanot (1963-1986), de Chandigarh, Índia, tinha apenas 22 anos quando sacrificou sua vida em prol de mais de 300 pessoas.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Enquanto jovem, depois terminar seus estudos, começou a trabalhar como modelo. Então, após um casamento fracassado, quando foi oferecida pelos pais a um homem e devolvida dois meses depois porque seu marido estaria “descontente com o dote recebido”, ela ingressou como comissária de bordo na notória e extinta Pan Am (Pan American World Airways), considerada à época uma das principais companhias aéreas dos EUA.

3

Em um dado momento, enquanto estava em Karachi, no Paquistão, atuando como comissária de bordo no voo PA-73, que decolou de Mumbai às cinco horas da manhã do dia 5 de setembro de 1986, ela e os passageiros foram surpreendidos por quatro terroristas. Embora tivessem tomado todos a bordo como reféns, Neerja ainda conseguiu alertar os pilotos, que abandonaram a nave pela escotilha de emergência.

 

Uma vez que a intenção dos terroristas era matar apenas cidadãos americanos, eles obrigaram os passageiros a entregarem seus passaportes. No entanto, Neerja agiu primeiro, escondendo todos os documentos dentro do lixo. Logo, os criminosos não sabiam mais quem matar.  A polícia paquistanesa, provavelmente alertada pelos pilotos, aproveitou a distração dos terroristas e conseguiu evacuar o avião. Porém, três meninos aterrorizados com a situação permaneceram imóveis e escondidos atrás de um dos assentos.

 

A jovem comissária da Pan Am decidiu voltar para ajudá-los. Embora tenha conseguido, a ação acabou chamando a atenção dos criminosos, que abriram fogo contra o grupo. Somente Neerja morreu. Diz-se que, um desses três garotos resgatados, quando cresceu, se tornou piloto de avião. Neerja, por outro lado, foi postumamente condecorada pela sua atitude heroica com uma Ordem de Ashoka Chakra, o maior prêmio da Índia por bravura em tempos de paz, se tornando a mais jovem pessoa entre todas as outras a receber tal honraria.

[ Fonte: Ofigenno ]

[ Fotos: Reprodução / Ofigenno ]

Jornal Ciência