Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

O que ocorre no cérebro de alguém decapitado?

de Julia Moretto 0

Segundo o biólogo molecular Francis Crick, um dos responsáveis pela descoberta do genoma humano, “você não passa de um monte de neurônios”.

Para ele, as nossas percepções, como sentimentos, crenças, movimentos e nossa própria existência, são o resultado do trabalho de nossas células neurais. Foi justamente essa ideia que criou o que hoje conhecemos como “A Hipótese Surpreendente de Crick”.

Tudo acontece porque a interação entre células neurais, através dos neurotransmissores, nos leva a pensar, andar, sentir, falar quando somos estimulados. Essas informações são gravadas para que possamos usá-las no decorrer de nossas vidas.

Ondas cerebrais

Este conceito pode explicar os estímulos elétricos que acontecem em nosso cérebro e os traduz como uma forma deixada por nossos neurotransmissores. Dessa forma, a existência de ondas cerebrais, encontrada por eletroencefalografias, mostram que uma pessoa está consciente.

Segundo um estudo realizado pela universidade holandesa Radboud Nijmegen em 2011, os cientistas analisaram o cérebro de ratos decapitados para conhecer suas atividades neurológicas.

O resultado mostrou que por até quatro segundos depois da separação do resto do corpo, os cérebros ainda geravam energia de até 100 Hz – númerosuficiente para ocorrer consciência e cognição, em um processo que inclui o pensamento. Portanto, a pesquisa sugeriu que o cérebro seria capaz de pensar e sentir por alguns instantes depois que a cabeça e corpo são separados.

Relatos

A grande dúvida da ciência é saber quantos são esses segundos e se eles trazem dor e sofrimento à vítima. Segundo outros estudos realizado com mamíferos mostram que o tempo recorde de consciência foi de 26 segundos pós-decapitação.

Já um relato de um soldado em 1989, após sofrer um acidente ao lado de um amigo que perdeu a cabeça, dizia: “Primeiro foi um choque ou uma confusão, depois foi terror e tristeza”. O soldado ainda contou que a vítima fez sinais com os olhos.

De acordo com alguns relatos, a rainha Ana Bolena teria tentado falar após ter sido decapitada. Um estudo realizado em 1905 por Dr. Beaurieux mostrou a reação de um criminoso após a decapitação:  o homem teriadito duas vezes o nome da pessoa que cortou seu pescoço.

Fonte: Science Fotos: Reprodução / Science

Jornal Ciência