O caso mais bizarro da Medicina que você irá ver hoje!

de Gustavo Teixera 0

Um pai cuja mão foi costurada em seu estômago em um procedimento inovador revelou os estágios angustiantes de sua recuperação de um ano inteiro.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O brasileiro Carlos Mariotti temia que sua mão tivesse que ser amputada depois de um terrível acidente no local de trabalho, mas falou orgulhosamente sobre como conseguiu dominar tarefas que ele anteriormente considerava obsoletas.

caso-medico-mais-bizarro_1

Em uma entrevista ao jornal britânico MailOnline, Carlos revelou como ele pode segurar sua escova de dentes e falar em seu telefone celular, coisas que ele pensou que nunca faria novamente. Foram necessários meses de prática para fazer tarefas simples, mas é uma conquista importante em sua recuperação. A mão esquerda de Carlos é como uma luva com um polegar minúsculo e uma esfera da carne inchada.

Pequenos restos ósseos estão dentro de sua mão em forma de punho, cobertos na parte de trás com a pele tirada de sua barriga e na palma com a pele enxertada de sua coxa. A luva em forma de esfera é o resultado de três procedimentos pioneiros de cirurgiões brasileiros para salvar a mão de Carlos da amputação. E não acabou: ele está enfrentando outra operação inovadora, pois os médicos se preparam para cortar e reconstruir a mão em dedos individuais.

Será a primeira operação do tipo no mundo, e os médicos têm a esperança de restaurar algumas funções e sensibilidade das partes quebradas. Foi uma jornada dolorosa de recuperação para o ex-operador de máquinas de São Ludgero, em Santa Catarina, após o terrível acidente de março do ano passado.

caso-medico-mais-bizarro_2

A mão de Carlos foi rasgada em pedaços depois que ficou presa entre dois rolos da bobina em uma máquina industrial usada para fazer copos plásticos e placas. Lembro-me que a máquina teve alguns problemas. Tivemos que desligá-la e iniciá-la novamente”, disse Carlos.

“Estávamos colocando um rolo de filme em três cilindros de bobina diferentes. Eu não sei se foi a culpa da máquina ou um problema com o outro operador, mas como colocamos no filme, a máquina começou a puxar a minha mão”, completou.

caso-medico-mais-bizarro_3

“Eu gritei em agonia quando minha mão foi arrastada para dentro da máquina. Eu tive força para arrancá-la, mas quando eu fiz, perdi toda a pele na palma e na parte de trás da minha mão. Eu perdi todos os nervos e veias e as partes superiores de dois de meus dedos. Estava totalmente mutilado”, desabafou.

O acidente destruiu o tecido, o fornecimento de sangue foi cortado e os ossos e tendões esquerdos ficaram expostos antes que seus colegas de trabalho pudessem ajudar. “Eu estava em dor insuportável e me disseram no hospital que minha mão tinha que ser amputada”, lembrou Carlos.

Dr. Boris Brandão, cirurgião ortopédico do Hospital da Fundação Santa Otilia em Orleans, foi responsável por tomar a engenhosa decisão cirúrgica para salvar a mão de Carlos. Ele a inseriu em um bolso de tecido macio na barriga do homem para que a carne de seu estômago, ao longo do tempo, se fundisse com o dorso da mão e o cobrisse.

Brandão tirou a espantosa foto de Carlos deitado na mesa de operações com o membro dentro da bolsa do corpo. E ele o fotografou com bandagens enroladas ao redor de seu estômago que protegiam a mão. A notável intervenção do médico deu a Carlos uma chance de recuperar a mão.

Brandão revelou: “Eu nunca tinha feito esse procedimento antes, mas eu sabia o que era possível. Separamos a pele dos músculos abdominais e criamos um saco dentro de seu corpo”

“Eu inseri a mão do paciente através de uma incisão de 10 centímetros em uma cavidade no abdômen. Isso impediu que a infecção e necrose aparecessem, permitindo que o membro se reconectasse ao suprimento de sangue e restabelecesse músculos e tecidos” completou.

O cirurgião, que também é dermatologista, continuou: “Nós suturamos e costuramos isto no abdômen para que a pele cobrisse a parte de trás da mão enquanto o músculo abaixo formaria a palma”. Carlos manteve sua mão enterrada em sua barriga por 42 dias.

“Foi uma sensação realmente estranha porque eu podia sentir meus dedos se mexendo dentro do meu corpo”, disse Carlos. “Todos os dias eu me lembrei que não podia tirar a mão porque estava em um bolso. Fiquei aterrorizado em romper os pontos e danificar minhas chances de recuperação.”

Carlos experimentou “dor e desconforto terríveis” durante o tempo em que sua mão estava presa dentro de sua barriga. “A dor foi inesquecível e insuportável. Eu me esforçava para dormir porque eu não podia virar do meu lado ou deitar na minha frente” , disse ele fazendo uma careta com a memória.

“Às vezes, eu explodia de raiva por que estava frustrado por ser impotente. Eu dependia de outras pessoas, particularmente de minha esposa, Cida, que foi incrivelmente paciente, para me ajudar com minha higiene pessoal, trocar minhas roupas, abotoar minha camisa e colocar minhas calças” completou.

Em maio do ano passado, seis semanas após a primeira cirurgia, os médicos removeram a mão de Carlos de sua barriga com a pele de seu abdômen cobrindo com sucesso a parte traseira. A frente de sua luva danificada, no entanto, era uma massa de carne sangrenta cortada. Este é o músculo e tecido que tem sido usado para reconstruir sua mão em sua forma atual.

Durante a cirurgia, os médicos separaram o polegar do resto da mão com uma incisão, em seguida, acordaram Carlos e pediu-lhe para mover o membro que estava irreconhecível como uma mão. Apesar disso, o paciente determinado flexionou e moveu os dedos como as juntas e respondeu ao seu comando.

Carlos, que está com sua esposa Cida, 50, há 17 anos revelou: “O médico disse para levantar a mão, movê-la e tentar fazer alguns movimentos.” “Ele colocou um pedaço de papel entre o meu polegar e minha mão e eu agarrei. Lembro que ele tentou puxá-lo e não saia”, completou.

O terceiro procedimento, sete dias depois, envolveu a união da pele da coxa esquerda de Carlos e o enxerto na palma da mão. Infelizmente, as áreas do transplante morreram dentro de alguns dias, e as seções da pele danificada tiveram que ser cortadas da palma.

Como a mão cicatrizou e assumiu a forma de uma luva de boxe, a fisioterapia tem ajudado a recuperação de Carlos. Eu posso sentir os pequenos pedaços de meus dedos movendo-se e às vezes os pontos dos ossos doem”, disse ele, acrescentando que agora é capaz de fazer muito mais do que antes.

“Hoje eu posso colocar minhas meias, colocar minha camiseta e tirá-la, trocar meus calções e lentamente abotoar os botões nas minhas calças. Posso tomar um banho e cobrir o sabonete na mão esquerda, enquanto antes ele escorria e cairia no chão”, disse.

Mas ele permanece frustrado: “Há momentos em que eu vou pegar alguma coisa, mas quando eu pego, não consigo. Então me lembro que não tenho mais a mão e isso é uma sensação realmente estranha e perturbadora “, admitiu Carlos.

Ele espera que a próxima cirurgia plástica mude tudo isso. O procedimento pioneiro será realizado em duas etapas. A primeira operação dividirá a mão de Carlos em duas partes, com um par de dedos em cada uma das seções cortadas pela metade. Um corte mais profundo na área entre o polegar e a mão irá melhorar a flexibilidade.

A mão é atualmente volumosa por causa do pedaço gorduroso abdominal da pele usada para cobrir a parte traseira dela. A lipoaspiração drenará o tecido adiposo, melhorando a aparência da mão. Após alguns meses de recuperação, o procedimento final cortará duas seções separadas, dividindo-as e formando os quatro dedos.

Mas não há certeza de quando o procedimento será feito, pois os custos cirúrgicos estão muito além do orçamento de Carlos, uma vez que ele está sem trabalhar há um ano. Em uma tentativa desesperada para recuperar sua independência e autoestima, Carlos lançou uma campanha de angariação de fundos JustGiving.

“Eu passei por muito e lutei para pagar as despesas desde o acidente. Grande parte da cirurgia foi feita com a bondade do Dr. Brandão, já que meu empregador não me apoiou”, disse Carlos. “Eu nunca imaginei em meus sonhos mais loucos que os médicos dessem esse passo incrível para salvar minha mão”, completou

“Agora eu preciso completar a jornada, reconstruir minha vida e voltar ao trabalho para sustentar minha família. Mas não posso chegar à próxima fase sem ajuda”, finalizou. O empregador de Carlos, Zettapack Industrial de Plásticos, foi abordado para um comentário, mas se recusou a responder.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência