30 Kg: chinês tem um dos maiores tumores do mundo removido de seu estômago

de Merelyn Cerqueira 0

Um chinês de 45 anos, identificado apenas como Zhang, teve removido de seu estômago o que era considerado um dos maiores tumores do mundo.

Ao optar, inicialmente, por tratamentos com remédios e ervas para tentar curá-lo, o homem permitiu que por três anos o tumor crescesse e lhe deixasse com uma circunferência abdominal de quase 135 centímetros. O que é maior do que a maioria das medidas de mulheres em fase final da gestação. Após passar por uma cirurgia para a remoção, os médicos identificaram que o tumor chegava a pesar pouco mais de 30 quilos e classificaram-no como o segundo mais pesado do mundo. 

tumor-gigante-no-estomago_01

O diagnóstico do tumor de Zhang veio em 2013, quando ele procurou médicos em Wuhan, capital da província de Hubei, na China, queixando-se de dores no estômago. No entanto, incapaz de cobrir os gastos médicos que teria com uma possível operação, ele procurou alguns herbalistas, uma prática muito comum na China, para tentar tratar o crescimento. Infelizmente, o tumor não parou de crescer e eventualmente foi comprimindo seus órgãos internos até o ponto em que sua vida estava sob ameaça. Isso porque, Zhang sentia dificuldades respiratórias e uma certa pressão no coração.

Cerca de três semanas após a cirurgia, o chinês já apresentava uma notável recuperação. Hoje, ele se declara capaz de amarrar os cadarços dos sapatos, fato que antes era impossível, já que ele mal podia ver os próprios pés.

tumor-gigante-no-estomago_02

A massa tumoral em questão era benigna, de acordo com os relatórios dos médicos informados pelo portal Mirror, da Inglaterra. Os médicos alertam para o risco de que ele possa crescer novamente no futuro. Sendo assim, Zhang precisará passar por check-ups regulares a cada seis meses.

[ Mirror ] [ Foto: Reprodução / Mirror ]

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência