Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

NASA compartilha imagens impressionantes de sonda pousando na lua de Saturno em 2005

de Merelyn Cerqueira 0

Em junho de 2005, a sonda Huygens aterrissou em Titã, considerada a maior lua de Saturno. Durante uma descida de 20 dias, a sonda conseguiu colher uma série de imagens da atmosfera do local. A agência então as reuniu em um vídeo e compartilhou o resultado com o público.

 

A filmagem, que mostra toda a descida da sonda em imagens impressionantes do local, foi divulgada como uma forma de sinalizar o fim da missão Cassini. A sonda, lançada em 1997, em breve deverá mergulhar no planeta em uma manobra de autodestruição, de acordo com informações do jornal Daily Mail.

nasa-sonda-saturno_2

A nave Huygens era um projeto da Agência Espacial Europeia (ESA) e chegou em Titã, conhecida como “gêmea tóxica da Terra”, em 2005 para fazer companhia à Cassini, da NASA, que já estava lá desde 2004.  O vídeo divulgado pela agência norte-americana, que ainda acompanha uma animação, mostra uma série de imagens capturadas por uma pequena câmera localizada no casco de Huygens.

nasa-sonda-saturno_3

De acordo com Jim Green, diretor de Ciência Planetária da NASA, “há doze anos, uma pequena sonda stocou em um mundo estranho e alaranjado no Sistema Solar Exterior, marcando o desembarque mais distante da humanidade até então”. Cassini e Huygens mostraram que Titã é um mundo incrível com uma paisagem que imita a Terra de muitas maneiras”, disse Alex Hayes, cientista da Cassini pela Universidade de Cornell. “Durante sua descida, Huygens capturou pontos de vista que demonstraram uma dimensão inteiramente nova para essa comparação e destaca que ainda há muito mais para ser descoberto”.

nasa-sonda-saturno_4

Após quase 20 anos no espaço, a missão Cassini está próxima de seu fim porque a espaçonave está ficando sem combustível. Para evitar acidentes com outras possíveis naves ou danos aos satélites naturais do planeta, ela mergulhará nele em uma manobra de autodestruição.

 

Titã, a gêmea tóxica da Terra

Titã, maior lua de Saturno, é vista como um dos lugares mais interessantes do Sistema Solar para ser estudado quando se trata de vida alienígena. Como possui lagos líquidos e nuvens de hidrocarbonetos, é o único lugar além da Terra com um ciclo climático ativo, no qual a precipitação afeta a paisagem. Também é o único conhecido por ter rios, chuvas, mares e possivelmente cachoeiras – embora sejam de metano. A água convencional, H2O, se existisse em Titã, seria de forma congelada, uma vez que a temperatura da sua superfície é de -180° C. 

 

Com sua atmosfera espessa e química orgânica rica, Titã se assemelha à Terra, mas em uma versão congelada e bem mais velha. Sendo menor do que nosso Planeta, sua gravidade não se mantém constante em um envelope gasoso, de modo que a atmosfera do local se estende por 595 quilômetros em direção ao espaço. Com essa baixa gravidade de densa atmosfera, as gotas de chuva de metano podem ser duas vezes o tamanho das que vemos aqui na Terra.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência