Fotógrafa norte-americana registra o momento de sua própria morte

de Merelyn Cerqueira 0

Hilda Clayton, uma especialista em informações visuais, morreu em 2013, com apenas 22 anos, quando um morteiro acidentalmente explodiu durante um treinamento de tropas norte-americanas na província de Laghman, leste do Afeganistão.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Antes de morrer Hilda conseguiu registrar o exato momento em que ela, e mais quatro afegãos, foram mortos pela explosão. A foto foi divulgada recentemente pela revista oficial Military Review, após ter sido autorizada pela família da jovem. Com informações da BBC.

A morte de Clayton simboliza como soldadas estão cada vez mais expostas a situações perigosas em treinamento e em combate, ao lado dos homens, escreveu o Exército americano na publicação.

foto_propria_morte1

Junto à imagem de Hilda, outra fotografia do momento da explosão foi enviada. Ela registra de uma perspectiva mais alta o evento, e foi clicada por um dos militares afegãos a quem a moça ensinava técnicas de fotojornalismo e que também foi morto no acidente.

foto_propria_morte2

Em entrevista à revista Time, Bill Darley, editor da Military Review, disse que as fotos foram enviadas por intermédio de um militar que serviu o Exército junto a Clayton.

O US Army afirmou ainda que a jovem não apenas ajudou a documentar as atividades voltadas ao fortalecimento da parceria entre os exércitos norte-americano e afegão como também compartilhou os riscos de participar desse esforço.

foto_propria_morte3

Em homenagem à fotojornalista, o Departamento de Defesa dos EUA criou um prêmio de fotografia que leva seu nome.

Fonte: Time Fotos: Reprodução / Time

Jornal Ciência