Proteína na pele de múmia pode revelar a causa de sua morte

de Julia Moretto 0

Uma equipe de cientistas analisou as proteínas na pele de três múmias de 4.200 anos de idade. Eles identificaram que suas mortes eram decorrentes de câncer e doenças infecciosas.

Descrevendo seu trabalho na Philosophical Transactions da Royal Society A, os autores do estudo explicam que a idade das três múmias foi determinada pela datação por radiocarbono dos têxteis em que estavam envoltas. O estudo mostrou que os três indivíduos viveram durante o chamado Primeiro Período Intermédio, conhecido como “Idade Escura” do antigo Egito, que segundo os pesquisadores, foi caracterizado pelo aumento da aridez, resultando em seca e fome.

proteina-pode-revelar-causa-da-morte_2

Seca e fome são fatores que enfraquecem o sistema imunológico do corpo, aumentando o risco de propagação de doenças infecciosas. Portanto, embora não haja registros médicos oficiais do período, não é surpreendente que muitos textos antigos “aludam ao caos e à morte” neste momento.

As três múmias estudadas estão no Museu Egípcio de Turim, na Itália. As proteínas isoladas na pele de uma destas amostras, chamada Idi, apresentaram um supressor de tumor denominado DMBT-1, bem como a transglutaminase – ambos associados ao câncer de pâncreas.

A análise do tecido da pele de outra múmia, chamada Khepeshet, apresentou uma proteína associada a uma resposta imunológica grave, sugerindo que a múmia estivesse lutando contra uma infecção profunda no momento da morte. Uma vez que muitas destas proteínas são associadas a uma infecção bacteriana nos pulmões, os cientistas suspeitam que ela tenha morrido de uma doença respiratória, como Tuberculose.

Infelizmente, a terceira múmia envolvida no estudo não apresentou proteínas suficientes na pele para permitir que os pesquisadores descobrissem a causa de sua morte. Independentemente disso, este trabalho abre uma janela para o passado, permitindo que os cientistas revivam aspectos há muito tempo perdidos do mundo antigo.

[ IFL Science ] [ Fotos: Reprodução / Raffaella Bianucci via IFL Science ]

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jornal Ciência