Cancrum Oris: A doença impulsionada pela fome que devasta a África

de Redação Jornal Ciência 0

Ela não é nova e tem mais de 150 anos de registros. Seu nome Cancrum Oris é derivado do grego, que significa, literalmente, “devorar”.

Suas vítimas principais são crianças entre 2 e 10 anos, mas também pode atingir adultos, especialmente os imunossuprimidos.

As crianças atingidas que sobreviverem irão ter dificuldades na fala, mastigação e carregarão o estigma das marcas deixadas pela Noma — outro nome que a doença recebe.

Ela é vista em países subdesenvolvidos, especialmente nas áreas mais pobres do continente africano, além de partes da Ásia e alguns países da América Latina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 100.000 pessoas são afetadas por ano.

Algumas culturas não tratam a doença, já que ela é considerada um tabu. Isso resulta em uma barreira para a detecção da enfermidade e para o início do tratamento adequado.

A doença é uma inflamação gangrenosa aguda dos tecidos orais e faciais e atinge mais frequentemente pacientes gravemente desnutridos.

Primeiramente, ela surge como uma úlcera dolorosa na gengiva e evolui posteriormente para uma necrose do tecido bucal, chegando a atingir os dentes e os ossos. O tratamento é feito com doses altas de um antibiótico extremamente popular e barato: a penicilina.

Estudos mostram que o aparecimento não surge apenas por um único agente causador, como uma bactéria específica, mas o gatilho vem de uma explosão microbiana, através de uma flora altamente perturbada e alterada, que inclui também falta de higiene bucal.

Infelizmente, a fome faz com que a doença evolua para patamares de gravidade, já que o corpo desnutrido não consegue lutar e tem péssimo sistema imune.

Além da desnutrição, fatores como saneamento básico ineficiente, água impura e ocorrência recente de outra doença debilitante são geralmente encontrados nas pessoas que desenvolvem Noma.

A doença possui uma alta taxa de mortalidade. Estima-se que de 80% a 90% das pessoas afetadas não conseguem sobreviver. Porém, a evolução pode ser freada com antibióticos simples somado a uma melhor nutrição alimentar.

Entretanto, os danos causados pela necrose e pelas úlceras são permanentes, sendo necessária cirurgia plástica para reparar o rosto dos pacientes — algo também complicado em países pobres.

Geralmente, crianças são “marcadas” socialmente, humilhadas e hostilizadas nas comunidades pela mutilação da face, fato que faz com que muitas sejam criadas escondidas em aldeias remotas. Algumas imagens são tão fortes que decidimos não publicá-las.

Fonte(s): News Medical / Outbreak News Today Imagens: Divulgação

 

Notícias diretamente no seu WhatsApp

Salve (61) 983026534, mande "oi" pelo WhatsApp e receba notícias, curiosidades e conteúdos incríveis do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar o número e enviar “oi” no WhatsApp para validar o cadastro. Em nenhuma hipótese enviaremos spam ou publicidade. Já são 25.550 leitores cadastrados. É gratuito!

Jornal Ciência