Billy Milligan, o estuprador que tinha 24 personalidades e virou série

Em 1978, um veredicto do tribunal absolveu a primeira pessoa nos Estados Unidos por Transtorno Dissociativo de Identidade, uma história incomum que atingiu plataformas de streaming em formato de série de documentários

de Redação Jornal Ciência 0

A vida de Billy Milligan há muito chamava a atenção de cineastas que sonhavam torná-lo filme. Mesmo com a cobiça de magnatas do cinema, os planos nunca se concretizavam.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

A Netflix estreou “As 24 Personalidades de Billy Milligan”, uma série documental sobre o homem que está no centro de uma das histórias de crimes mais notórias dos Estados Unidos e que intriga a psicologia e psiquiatria pelas peculiaridades de seu estado mental.  

Milligan nasceu em 1955 em Miami Beach, Flórida, e seu primeiro crime foi cometido aos 20 anos. Em 1975, ele foi considerado culpado de estupro e assalto à mão armada, pelos quais passou dois anos na prisão até sua libertação no início de 1977.

Em outubro do mesmo ano, ele foi preso por estuprar três mulheres no campus da Ohio State University, na cidade de Columbus.

As evidências eram abundantes e incriminatórias. Além de ser identificado por uma das vítimas, deixou impressões digitais no carro de outra e, além disso, violou as condições de sua liberdade condicional que o proibia de porte de armas. Isso levou à acusação de quatro estupros, três sequestros e três roubos agravados.

Durante o julgamento, Milligan surpreendeu a todos quando se declarou inocente e afirmou que os autores desses crimes foram duas de suas outras personalidades: um iugoslavo de 23 anos chamado Ragen e uma mulher de 19 anos chamada Adalana. Ele disse que ambos assumiram seu corpo e sua consciência durante os crimes.

O réu passou por vários estudos psiquiátricos, que primeiro identificaram 9 personalidades adicionais vivendo dentro do cérebro de Millian. Cada uma tinha seu próprio temperamento, inclinações e história de vida.

Assim, Ragen, o responsável pelos roubos e sequestros, era um iugoslavo violento; e Adriana, responsável pelos estupros, era uma garota tímida de 19 anos.

Em 1978, um juiz do Tribunal Magistrado do Condado de Franklin considerou Milligan inocente de insanidade. Na época, acreditava-se que Milligan era a primeira pessoa na história americana a usar com sucesso o Transtorno de Personalidade Múltipla (agora chamado de Transtorno Dissociativo de Identidade) como defesa.

O processo criminal atraiu ampla publicidade, chegando às capas de diversas revistas e jornais importantes da época. O juiz, Jay C. Flowers, chamou o caso naquele dia de “triste para as vítimas e para o réu”.

Millian não conseguiu sua liberdade, mas foi encaminhado a vários hospitais psiquiátricos onde seu caso continuou a ser estudado. Durante esse tempo, os médicos identificaram nele um total de 24 personalidades distintas, que tinham muito pouca informação sobre as atividades ou pensamentos dos outros.

Destes, os primeiros 11 a serem identificados foram considerados “desejáveis”, mas os outros 13 não o foram. O último a aparecer foi identificado como “O Professor” e como combinava características de todas as outras personalidades, permitiu alguma interação entre elas.

Isso foi registrado no livro do escritor Daniel Keyes “The Minds of Billy Milligan”, que entrevistou o paciente várias vezes durante os anos em que ele esteve hospitalizado.

Em 1988, os psiquiatras que o trataram consideraram que a terapia havia funcionado, fazendo com que as 24 personalidades de Milligan se fundissem novamente em uma. Graças a isso, ele deixou de ser um perigo para a sociedade e, após passar mais três anos em tratamento ambulatorial, foi finalmente liberado em 1991.

Ele então se mudou para a Califórnia para trabalhar com diretores de cinema, incluindo Cameron e Joel Schumacher, em possíveis adaptações para o cinema de sua vida. Nenhuma tentativa funcionou e Milligan acabou processando Cameron e um parceiro de produção em 1993.

Milligan pediu falência no final dos anos 1990 e voltou para Columbus, onde morreu em 2014 de câncer aos 59 anos.

O documentário aborda a infância desse personagem em particular e explica que ele sofreu maus-tratos de seu padrasto Chalmer Milligan quando era muito jovem. Isso é apontado pelos médicos que trataram Billy como sendo a origem de seu transtorno, uma vez que suas personalidades teriam surgido como um auxílio para enfrentar as agressões.

No entanto, o diretor da série de documentários também afirmou que seu objetivo não é apenas contar a história do homem, mas homenagear as vítimas que foram ofuscadas pela inusitado diagnóstico e pelo veredicto do juiz que tratou do caso.

“Tínhamos que estar cientes de que ele não foi vítima de tudo isso. Claro que precisávamos ter empatia, mas o que acontece é que ele cometeu alguns crimes”, ressaltou o cineasta.

Fonte(s): Infobae Imagens: Divulgação

Jornal Ciência