Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

A Ciência sugeriu que as pessoas devem investir mais em “ficar de conchinha”; entenda

de Merelyn Cerqueira 0

Ficar deitado ao lado da pessoa que amamos é uma das melhores coisas da vida, mas saiba que a sensação também faz bem à saúde. Mas, tudo isso só é possível graças a um poderoso neurotransmissor chamado oxitocina, que permite que criemos vínculos amorosos. 

O fato é que sempre que estamos próximos de alguém que amamos, nosso corpo é inundado por esse neurotransmissor. Ele surge nos momentos de toque, abraços, sexo e especialmente na hora do orgasmo. 

O oxitocina é responsável por aumentar a sensação de bem-estar, compaixão e confiança, ao passo em que também reduz o medo e a ansiedade.

Além disso, indo além da relação romântica, ela também promove uma considerável melhora em nossa relação com os pais, irmãos e amigos. 

O poder do neurotransmissor é tão grande que é capaz de reduzir a dor de uma criança no momento em que ela segura a mão da mãe enquanto toma uma injeção.

Já no caso dos casais, gestos não sexuais, como apenas segurar as mãos ou abraçar, podem aumentar o nível de satisfação dentro da relação.

Considere que permanecer abraçado por pelo menos 15 minutos após o sexo já é suficiente para aumentar a sensação de satisfação no relacionamento, o que consequentemente ajudará a prolongá-lo. 

casaljuntinho

No começo do namoro, os níveis do neurotransmissor estão realmente altos. Se permanecerem assim ao longo dos primeiros seis meses de afetividade, é possível que o casal tenha mais chances de permanecer junto. 

Toda essa satisfação está relacionada a uma redução nos níveis de cortisol, o chamado hormônio do estresse.

Ainda, essa troca de afeto pode reduzir a pressão arterial e sintomas de ansiedade. Portanto, investir em uma “conchinha” é sempre um bom negócio, especialmente se a sua intenção é prolongar um relacionamento de sucesso. 

Fonte: Fusion.net Foto: Reprodução / PinterestFlickr

Jornal Ciência