Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

TOP 25 Mitos sobre a Terra, o Espaço e a Física em que você não deveria acreditar

de Gustavo Teixera 0

Conversar com alguém sobre temas associados ao Universo, o que inclui Astronomia, Geologia e voos espaciais, costuma ser animador para quem se interessa pelo assunto.

No entanto, como é de praxe, informações falsas costumam se disseminar rapidamente na internet – os chamados hoaxes – fazendo muitas “vítimas”. Logo, em um artigo para a IFLScience, Dave Mosher listou alguns desses mitos e esclareceu-os em uma lista que você confere abaixo.

1 – O Sol é amarelo

planeta-terra_02

Se você olhar para o Sol da tarde verá que ele de fato parece ser amarelo. No entanto, a luz que se desprende dele, na verdade, é branca. A atmosfera da Terra a partir do nosso campo de visão é que faz nossa estrela principal parecer amarela. Os gases são dispersados na luz a partir de um efeito chamado de dispersão de Rayleigh, que também provoca a aparência azul do céu. Ainda, e para confundir um pouco mais, nosso Sol é classificado pelos astrônomos como uma estrela da sequência principal da classe G, ou seja, uma “estrela amarela”.

2 – O Saara é o maior deserto da Terra

Basicamente, o que você precisa saber é que: nem todos os desertos são compostos de areia. Para ser classificado assim basta ser seco e inóspito. A Antártida, por sua vez, se encaixa nestes padrões. Lá, a precipitação é de pouco mais de 5 cm por ano e a região ainda possui poucos animais terrestres. Com mais de 14 milhões de quilômetros quadrados, em comparação aos 9,4 milhões de quilômetros quadrados do Saara, o maior deserto do mundo é feito de gelo.

3 – Astrologia

Não seria ótimo se pudéssemos obter um vislumbre de nosso futuro a partir da posição do Sol, planetas e Lua a partir do momento em que nascemos? Isto é, de fato, o que a astrologia pretende fazer e o que, aparentemente 50% do mundo, em partes acredita, enquanto 2% são fiéis seguidores de tal método. Contudo, estudos científicos, baseado em análises de previsões propostas em horóscopos ou outros sinais, já comprovaram que a astrologia é falha. Por exemplo, em um estudo publicado em 1985 na revista Nature, cientistas trabalharam em conjunto com alguns dos principais astrólogos dos EUA para testar o poder preditivo dos signos. O resultado? As previsões astrológicas não eram melhores do que o acaso.

4 – Quando você liga para alguém, o sinal sai de um satélite

Isto é verdade apenas para os telefones por satélite, mais especificamente os modelos que os militares utilizam diariamente. Contudo, eles funcionam de uma forma muito diferente do que os modelos convencionais. Normalmente, os celulares comuns utilizam sinais de rádio transmitidos por torres terrestres. Logo, quando você faz uma chamada, a torre mais próxima o conecta com o outro telefone através de uma vasta rede e cabos.

Na melhor das hipóteses, um satélite pode ser envolvido em uma chamada internacional. Ainda assim, em 99% dos casos, os dados de comunicação viajam através de cabos submarinos.

5 – A Grande Muralha da China é a única estrutura feita pelo homem visível do Espaço

planeta-terra_03

Neste caso, tudo depende do ponto de vista. A partir da Estação Espacial Internacional, por exemplo, localizada a mais de 405 quilômetros acima, podemos ver uma série de outras estruturas feitas pelo homem. Da lua, no entanto, isso não é possível, somos capazes de ver apenas um brilho tênue de pequenas luzes.

6 – A gravidade da Lua é inteiramente responsável pelas marés

O lado da Terra que está de frente para a Lua, de fato sofre com a gravidade emitida pelo satélite natural, causando a alta das marés, mas ela não é a única responsável. Isso basicamente ocorre quando o centro de gravidade do planeta é ligeiramente puxado para a Lua. No entanto, do outro lado da Terra a história é diferente.

As marés altas, na verdade, são uma combinação da força centrífuga (do centro de deslocamento de gravidade) e inércia da água em relação a rotação da Terra (giro em cerca de 1,040 mph), quando o planeta literalmente lança seu líquido para o lado oposto da Lua. Nos lados remanescentes, então, as marés são baixas.

7 – Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar

Para você entender isto, basta exemplificar: alguns locais, como Empire State Building, em Nova York, são atingidos por raios até 100 vezes por ano.

8 – A Terra é uma esfera perfeita

planeta-terra_04

A Terra gira em torno de 1.040 mph. Isto é, cerca de 60% a velocidade de uma bala atirada de uma arma. Essa inércia achata ligeiramente os polos do planeta, provocando uma protuberância em torno do equador. Logo, devido ao aquecimento global e derretimento das geleiras (que causa menos peso sobre a crosta), os cientistas acreditam que essa protuberância está crescendo.

9 – O Monte Everest é o pico mais alto da Terra

Tecnicamente, o Monte Everest é a montanha mais alta acima do nível do mar. Mas, se considerarmos a altura da montanha a partir da base até o cume, então a mais alta delas é Mauna Kea, localizada no Havaí.

O Everest está a mais de 8.849 metros acima do nível do mar, enquanto Mauna Kea está a pouco mais de 4.205 acima do nível do mar. Contudo, este último se estende cerca de 6.004 metros abaixo do Oceano Pacífico, ou seja, mais de sua metade está submersa. Logo, isso coloca a altura total de Mauna Kea em pouco mais de 10.210 metros, sendo considerado mais alto do que o Monte Everest.

10 – A água conduz eletricidade

A água em sua forma pura ou destilada não conduz energia elétrica. A razão pela qual você toma um choque quando está em pé ou dentro dela é porque ali existem mineiras, sujeiras ou outros detritos que irão conduzir a eletricidade.

11 – O “lado escuro” da Lua

planeta-terra_05

É fácil acreditar que o lado da Lua que não vemos é o mais escuro. No entanto, não é bem assim que as coisas funcionam. Ambos os lados passam pela mesma fase. Por exemplo, quando há uma Lua nova virada para a Terra, do outro lado haverá uma Lua cheia. Mais uma vez, o ponto de vista terrestre implica nesta situação.

12 – As placas tectônicas se movem em razão da atividade vulcânica

As bordas mais antigas de uma placa tectônica costumam ser mais frias e densas, o que faz com elas se afundem no manto terrestre enquanto estão em movimento. Quando duas delas são puxadas uma contra a outra, surgem as dorsais oceânicas – cadeias de montanhas submersas nos mares produto do afastamento das placas. Isto é, onde a placa tectônica está sendo formada – por rochas quentes, flutuantes e que emergem a partir de um ponto fraco. Logo, o vulcanismo resultante não é o que separa as placas.

13 – Você fica imediatamente mais leve quando chega ao espaço

planeta-terra_06

 A maioria dos cientistas concordam que o espaço começa a quase 100 quilômetros acima de nós, onde a atmosfera da Terra é mais ou menos um vácuo. No entanto, cruzar este limite não te deixará magicamente mais magro. Se você estiver em um foguete em aceleração, ainda sentirá a gravidade da Terra. É somente quando começa a ‘cair’ que você notará que ficou mais leve.

Isto é, basicamente, o que significa orbitar uma coisa: “cair” em torno de um objeto. Como a Lua em torno da Terra, a Terra em torno do Sol e o Sistema Solar em torno da Via Láctea. Todos estão caindo em uma dança cósmica louca. Se você viajar para além dos 400 km acima da Terra, terá de viajar 17.500 mph ao redor do planeta para experimentar queda livre contínua – precisamente a velocidade da Estação Espacial Internacional e seus Astronautas.

14 – Os diamantes vêm do carvão

A maioria dos diamantes não são formados a partir do carvão comprimido. Ao invés disso, eles são feitos de carbono comprimido aquecido a mais de 144 quilômetros abaixo da superfície da Terra. O carvão, por sua vez, é encontrado a pouco mais de 3 Km.

15 – As pessoas na Idade Média acreditavam que a Terra era plana

Durante o início da Idade Média, os especialistas acreditavam que a Terra era de fato redonda e não plana. Este mito ganhou força em meados de 1.800, ao mesmo passo que a teoria da evolução ganhava destaque – e os interesses religiosos e científicos entraram em conflito.

16 – O verão é mais quente porque a Terra está mais próxima do Sol

planeta-terra_07

A Terra não fica mais próxima do Sol durante o verão. Na verdade, a inclinação do nosso planeta é que permite ao Sol refletir em um dos hemisférios mais diretamente.

17 –  Os relâmpagos não causam trovões

Um raio é apenas uma corrente de elétrons que passa de nuvem em nuvem ou do solo para as nuvens. Esta, por sua vez, aquece o ar para dentro de um tubo de plasma, criado a partir da corrente elétrica de grande intensidade que ioniza o ar, e que é três vezes mais quente que a superfície do sol. Esse tubo violentamente se expande e contrai o ar nas proximidades, cirando um estrondoso e inconfundível ruído. Logo, os trovões não são causados pelo fluxo de elétrons em si.

18- O Cinturão de Asteroides é perigoso

O Cinturão de Asteroides – uma zona localizada a mais de 350 milhões de quilômetros do Sol – é incrivelmente vazia, solitária e desolada. Na verdade, se você juntar todos os asteroides do cinturão, eles pesarão apenas cerca de 4% da massa da Lua e da Terra. É por isso que a NASA fica especialmente animada quando consegue ver um asteroide colidindo com outro, porque, diferente do que vimos em filmes, a região não é tão “excitante”.

19- A Lua está próxima da Terra

planeta-terra_08

A Lua, por vezes, parece que está tão perto de nós que sentimos que podemos ‘tocá-la’. Contudo, na realidade, esse satélite natural orbita nosso planeta a uma distância de mais de 384.000 km. Hipoteticamente, se você estivesse tentando viajar até lá em um Boeing 747 a toda velocidade, seriam necessários cerca de 17 dias para atingir seu destino.

20- Você só pode equilibrar um ovo na cabeça no Equinócio da Primavera

É possível. O truque requer apenas um ovo com casca bem firme e mãos hábeis. O fato é que existe um mito de que apenas podemos equilibrar um ovo na cabeça durante o Equinócio da Primavera, mas a verdade é que você pode fazer isso em qualquer dia do ano.

21- Uma arma nuclear poderia destruir um asteroide

Basicamente, explodir um asteroide não irá vaporizar cada fragmento dele. Na verdade, uma forte explosão será, provavelmente, uma péssima ideia se a sua intenção é salvar o planeta. Será como transformar uma única bala em um tiro de espingarda. No entanto, alguns pesquisadores acreditam que um ataque nuclear bem direcionado e inteligentemente concebido poderia irradiar a superfície de um asteroide, vaporizando grande parte dos fragmentos e disparando gases que os tirariam de um provável curso de colisão.

22- Nada pode ir mais rápido do que a velocidade da luz?

Enquanto a luz pode se mover livremente em 299.792.458 metros por segundo em um vácuo, ela diminui quando viaja através de diferentes substâncias. Por exemplo, a luz se move 25% mais lenta através da água e 59% mais lenta através do diamante. 

Partículas como elétrons, nêutrons ou neutrinos podem ultrapassar fótons de luz em tais materiais. Além disso, na chamada radiação de Cherenkov, que ocorre em reatores nucleares, os nêutrons viajam mais rápido do que a velocidade da luz. Os físicos também acreditam que os buracos de minhocas e entrelaçamento quântico também são capazes de se “moverem” mais rápido do que a luz.

23 – O vácuo do espaço é frio

Se você estiver em escuridão total no ponto mais frio do universo conhecido, o vácuo do espaço pode ser de menos de -270°C. Mas, na luz solar perto da Terra, as temperaturas podem oscilar a uma ebulição de mais de 121°C. E isso explica o porquê de os astronautas utilizarem trajes especiais branco refletivo.

24 – O “Paradoxo de Fermi” é sobre alienígenas

Uma vez, o físico Enrico Fermi perguntou: “Onde estão todos?”, após ver uma ilustração da revista New Yorker que mostrava um ET com um disco voador. Logo, todos assumiram que ele se questionava sobre a existência dos alienígenas. Contudo, o fato é que Fermi estava questionando a viabilidade de se viajar através de estrelas- e não a existência real se extraterrestres.

O paradoxo de Fermi, que explora a contradição de que alienígenas inteligentes são inevitáveis, mesmo que nunca tenhamos os vistos, não questiona em si a existência deles. Na verdade, tal ideia foi concretizada pelo astrônomo Michael Hart e o físico Frank Tiples, em 1970 e 1980. O paradoxo de Fermi pode ser chamado com mais precisão ‘o argumento Hart-Tipler contra a existência de extraterrestres tecnológicos’, o que não soa tão autoritário como o nome antigo, mas parece mais justo para todos”, escreveu o astrônomo Robert H. Gray para a Scientific American.

25 – A matéria existe em 3 estados

planeta-terra_09

Na verdade: sólido, líquido, gasoso e plasma. É fácil supor que os sólidos são a forma mais abundante de matéria no cosmo, uma vez que todos nós vivemos sobre uma rocha gigante. Mas, o plasma na verdade é muito mais abundante. As estrelas, incluindo o Sol, são esferas gigantes de plasma incandescente. Há ainda as subfases da matéria, mas sólido, liquido, gasoso e plasma são os principais.

[ IFL Science ] [ Fotos: Reprodução / IFL Science ]

Jornal Ciência