TOP 19 sinais nada óbvios de que você é inteligente

de Julia Moretto 0

O tolo pensa que é sábio, mas o sábio sabe que é tolo”, você já ouviu esse ditado? Ele foi recentemente apoiado por uma pesquisa realizada pela Universidade Cornell, nos EUA, conduzido por David Dunning e Justin Kruger. Este fenômeno é agora conhecido como o efeito Dunning-Kruger.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Confira alguns sinais de que você é mais inteligente do que você pensa.

1 – Aulas de música

A pesquisa sugere que a música ajuda a desenvolver a mente em algumas maneiras.Um estudo de 2011 descobriu que a pontuação em um teste de inteligência verbal entre crianças de 6 anos de 4 aumentou depois de apenas um mês de aulas de música.

Além disso, outro estudo de 2004 conduzido por Glenn Schellenberg descobriu que crianças de 6 anos de idade que tiveram nove meses de aulas de teclado ou de canto tinham um QI mais elevado em comparação com as crianças que faziam aula de teatro. Outro estudo realizado em 2013, também liderado por Schellenberg, sugeriu que as crianças que tiveram bom desempenho em um teste eram mais propensas a serem aquelas que frequentavam aulas de música. Em outras palavras, o treinamento musical pode melhorar diferenças cognitivas que já existem.

2 – Irmão mais velho

Irmãos mais velhos são normalmente mais inteligentes, de acordo com um estudo. Cientistas noruegueses utilizaram registros militares para examinar a ordem de nascimento, estado de saúde e as pontuações de QI de cerca de 250.000 homens na idade entre 18 e 19 anos, que nasceram entre 1967 e 1976. Os resultados mostraram que o primogênito tinha um QI de 103, comparado com 100 da segunda criança e 99 da terceira. Por esta e outras razões, primogênitos tendem a ser mais bem-sucedidos do que seus irmãos.

3 – Cintura fina

Segundo um estudo de 2006, os cientistas realizaram cerca de 2.200 testes de inteligência em adultos em um período de cinco anos. Os resultados sugerem que quanto maior a cintura, menor a capacidade cognitiva.

4 – Preferência por gatos

Um estudo de 2014, com 600 estudantes universitários, descobriu que os indivíduos que disseram preferir gatos eram mais extrovertidos do que os que preferiam cachorros, de acordo com um teste que mede a personalidade e inteligência. Por outro lado, as pessoas que gostavam mais de gatos pontuaram mais alto na parte do teste que mede a capacidade cognitiva.

5 – Amamentação

Uma pesquisa feita em 2007 sugere que os bebês amamentados podem se tornar as crianças mais inteligentes. Em dois estudos, os pesquisadores analisaram mais de 3.000 crianças na Grã-Bretanha e Nova Zelândia. As crianças que foram amamentadas marcaram quase sete pontos a mais em um teste de QI – mas apenas se tivessem uma versão particular do gene FADS2.

6 – Usar drogas recreativas

Um estudo de 2012 com mais de 6.000 britânicos nascidos em 1958 encontrou uma ligação entre alto QI na infância e o uso de drogas ilegais na idade adulta. Nosso estudo sugere que o alto índice de QI aos 11 anos foi associado com uma maior probabilidade de drogas ilegais usadas cerca de 31 anos mais tarde”, escreveram os pesquisadores James W. brancas, Catharine R. Gale e David Batty.

Eles concluem que “em contraste com a maioria dos estudos sobre a associação entre o QI na infância e saúde mais tarde”, suas descobertas sugerem que “um alto QI na infância pode levar à adoção de comportamentos potencialmente prejudiciais para a saúde – o excesso de consumo de álcool e uso de drogas – na idade adulta”.

7 – Ser canhoto

Utilizar a mão esquerda costumava ser associado com a criminalidade, porém os pesquisadores ainda não sabem por que há mais canhotos entre as populações criminais. Mas uma nova pesquisa afirma que os canhotos possuem “pensamento divergente”, uma forma de criatividade que lhe permite chegar a novas ideias partir.

Em sua revisão de um artigo de 1995, a repórter do New Yorker, Maria Konnikova, escreve: Os canhotos eram mais hábeis, por exemplo, a combinação de dois objetos comuns em novas formas para formar um terceiro – por exemplo, usando um poste e uma lata para fazer uma casa de passarinho. Eles também se destacaram no agrupamento de listas de palavras em categorias alternativas possíveis.

8 – Altura

Um estudo de 2008, descobriu que pessoas mais altas pontuaram mais em testes de QI.

9 – Beber regularmente

O psicólogo evolucionista Satoshi Kanazawa e seus colegas descobriram que entre os adultos britânicos, assim como os americanos, os que pontuaram mais em testes de QI na adolescência bebiam mais álcool. Porém na idade adulta, a pontuação era mais baixa.

10 – Aprender a ler cedo

Em 2012, pesquisadores analisaram cerca de 2.000 pares de gêmeos idênticos no Reino Unido e descobriu que o irmão que tinha aprendido a ler mais cedo tinha uma maior pontuação em testes de capacidade cognitiva. Os autores do estudo sugerem que a leitura aumente tanto a capacidade verbal quanto a não verbal.

11 – Preocupar-se muito

De acordo com a cobertura de vários estudos sobre a ansiedade, os indivíduos ansiosos podem ser mais inteligentes do que outros em determinadas maneiras. Em uma das pesquisas, por exemplo, os cientistas pediram a 126 estudantes de graduação para preencher questionários, indicando quantas vezes eles experimentaram preocupação. Eles também indicaram quantas vezes se engajaram em ruminação ou pensaram sobre os assuntos incômodos.

Os resultados mostraram que as pessoas que tendem a se preocupar muito pontuaram mais em medidas verbais de inteligência, enquanto as pessoas que não se preocupam muito pontuaram mais em testes não-verbais de inteligência.

12 – Ser engraçado

Em um estudo, 400 estudantes de psicologia realizaram testes de inteligência que mediram habilidades de raciocínio abstrato e inteligência verbal. Em seguida, foram convidados a criar legendas para diversos desenhos animados. O resultado foi que os alunos mais inteligentes foram classificados como mais engraçados.

13 – Ser curioso

Na Universidade de Londres, o professor de psicologia de negócios Tomas Chamorro de Premuzi discutiu sobre a curiosidade e ensinou como ter uma mente mais curiosa. Sobre a importância do CQ – quociente de curiosidade -, ele escreveu que, “não foi tão profundamente estudado como EQ e QI, mas há alguns indícios que sugerem que é tão importante quanto eles quando se trata de gerenciar a complexidade de duas maneiras principais. Primeiro, indivíduos com maior CQ são geralmente mais tolerantes à ambiguidade. Este estilo de pensamento define a própria essência da complexidade. Em segundo lugar, CQ leva a níveis mais elevados de investimento intelectual e aquisição de conhecimento ao longo do tempo, especialmente em domínios formais de educação, como Ciência e Arte.

Um estudo da Universidade de Goldsmiths de Londres descobriu que o investimento intelectual, ou a forma “como as pessoas investem seu tempo e esforço em seu intelecto”, desempenha um papel importante no crescimento cognitivo.

14 – Ser confuso

Um estudo publicado no Psychological Science pela Universidade de Minnesota Carlson School, revelou que trabalhar em um quarto desarrumado pode ser um combustível para a criatividade.

15 – Não fazer sexo até terminar o ensino médio

Estudantes do ensino médio com QI mais altos são mais propensos a serem virgens em relação aos com QI médio ou inferior, de acordo com um estudo da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. O estudo analisou 12.000 adolescentes do ensino médio. Além disso, eles também eram menos propensos a beijar ou dar as mãos a um parceiro romântico. Várias explicações foram apresentadas como sugestões de que pessoas inteligentes fossem consideradas menos atraentes, avessas a riscos ou simplesmente menos capazes de encontrar parceiros sexuais.

16 – Você prefere a noite

Um estudo descobriu que pessoas notívagas são mais intelectuais. Ele concluiu que atividades noturnas eram mais raras no ambiente ancestral. Isso significa que as pessoas mais inteligentes são mais propensas a ficarem acordadas até tarde porque preferem “abraçar valores evolutivamente novos”.

17 – Não precisar lutar tanto

Isso não quer dizer que a preguiça seja um sinal de inteligência. Mas é justo dizer que as pessoas inteligentes não sejam exatamente “batalhadoras” e lutem para construir suas habilidades – pelo menos em determinados campos.

Segundo um estudo, enquanto se esforçar para ser mais inteligente é louvável, há certas habilidades inatas que nem sempre podem ser aprendidas.

18 – Não precisar constantemente estar perto de pessoas

Nós somos mais felizes quando estamos próximos de pessoas que gostamos, certo? Bom, exceto para as pessoas muito inteligentes. De acordo com um estudo, elas são diferentes das demais quando se trata de níveis de felicidade e socialização.

19 – Escolher uma cidade tranquila

Como se constata, a geografia pode ser um bom indicador de inteligência. Segundo um estudo, as cidades construídas para pedestres tendem a atrair mais pessoas graduadas do que cidades construídas para carros. Washington DC marcou o nível mais alto em educação e o segundo lugar em “receptividade a pedestres”, enquanto Nova York foi votada como “a mais tranquila área metropolitana” nos EUA.

[ IFL Science ] [ Fotos: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência