Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Sarampo avança no Brasil durante pandemia e provoca mortes, mesmo com vacina disponível

Ainda em 2020, foram confirmados 8.419 casos de sarampo até o dia 19 de dezembro.

de Redação Jornal Ciência 0

Sarampo avança no Brasil durante pandemia e provoca mortes, mesmo com vacina gratuita disponível

Os holofotes estão todos sobre a vacinação da Covid-19 no Brasil, mas nos bastidores, outra doença avança no país silenciosamente, mesmo com uma vacina para combatê-la: o sarampo.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, houve 7 mortes por sarampo no ano passado. Seis delas foram de crianças menores de 18 meses. A outra vítima foi um homem de 37 anos. Em comum entre eles? A falta de vacinação contra a doença.

Ainda em 2020, foram confirmados 8.419 casos de sarampo até o dia 19 de dezembro. Mas ainda há 371 casos em investigação.

É importante lembrar que a imunização é a única proteção nesse caso. Mas, o Brasil não tem alcançado a porcentagem mínima para impedir que o vírus circule livremente. Desde 2017, a primeira e segunda doses da tríplice viral em crianças, que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola não vacinou os 95% necessários para deixar a população protegida.

Segundo o Ministério da Saúde, até 2 de outubro de 2020, a primeira dose tinha atingido apenas 70,64% do público-alvo (crianças com 12 meses), e a segunda dose em 55,77% das crianças com 15 meses.

Infelizmente, o Brasil não é vítima exclusiva do sarampo. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que as mortes por sarampo em todo o mundo atingiram, em 2019, seu nível mais alto em 23 anos.

Em parceria com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, a OMS mostrou que, no mesmo ano, 207.500 pessoas morreram em todo planeta por causa do vírus.

Um dos fatores mais notáveis para o aumento de casos em todo o planeta é o crescimento descontrolado dos movimentos “antivacina”, que pregam notícias falsas que as vacinas podem gerar uma série de malefícios, carregadas de teorias de conspiração. Muitos acreditam e evitam vacinar seus filhos, deixando-os desprotegidos – bem como as pessoas ao redor que não receberam a vacina. A vacina contra o sarampo é segura, gratuita e é a única arma disponível para vencer o vírus.

Imagem: Reprodução / Google.

O que é sarampo e quais os sintomas?

É uma doença provocada por um vírus extremamente contagioso da família Paramixoviridae e do gênero Morbillivirus. A doença pode ser fatal e é tão contagiosa que uma pessoa pode transmitir o vírus para 90% das pessoas próximas que não estejam protegidas com vacina.

4 dias antes e 4 dias depois de surgirem as primeiras manchas na pele, o contaminado já começa a transmitir o vírus. Se uma pessoa tem contato e se infecta, os sintomas nesta pessoa podem surgir em um prazo que varia entre 7 a 18 dias.

Febre, tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo e/ou entupido, forte mal-estar, falta de apetite são os principais sintomas. Neste período aparecem manchas brancas na parte interna das bochechas. Podem surgir manchas vermelhas no rosto após 3 a 5 dias. Geralmente, ocorrem manchas vermelhas atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo.

Em casos graves, a febre persistente é um indicativo de preocupação, o que geralmente ocorre com mais frequência em crianças com menos de 5 anos de idade e, neste estágio, pode ser fatal.

Fonte(s): Albert Einstein Imagens: Reprodução / Shutterstock via Patcha

Jornal Ciência