Pesquisa revela que chikungunya provoca doenças vasculares irreversíveis

de Gustavo Teixera 0

Uma pesquisa inédita feita pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) revelou que a chikungunya provoca lesões vasculares irreversíveis.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Foram analisados 32 pacientes com os sintomas de chikungunya e 29 destes voltaram para um acompanhamento pelos especialistas. 20 pessoas deste grupo repetiram o exame e foi constatado que 65% mantiveram alterações vasculares crônicas.

 

Manifestações vasculares na chikungunya estavam restritas a fases iniciais da doença. Agora, o estudo mostra não só uma nova manifestação como a cronificação dela, já que os sintomas persistiram por mais de três meses“, disse Catarina Almeida, cirurgiã vascular responsável pelo estudo. Foram apresentados problemas como linfedema agudo, que é acúmulo de líquido nas pernas devido ao bloqueio do sistema linfático e edema no dorso do pé.

 

Um exame de linfocintigrafia detectou as alterações linfáticas e ainda não se sabe exatamente o motivo das lesões vasculares atingirem somente os membros inferiores, como pernas e pé. Nosso próximo passo, agora, é fazer uma investigação molecular e entender o motivo disso acontecer. Se é resposta imunológica exacerbada do paciente ou ação direta do vírus“, disse Almeida.

 

Os pesquisadores apontam que essas lesões aumentam a morbidade e sedentarismo desses pacientes, que também ficam mais propensos a desenvolver infecções nessa região do corpo. O paciente José Severino Pedrosa, de 76 anos, diz que usa analgésicos até hoje, um ano e três meses após ser diagnosticado com chikungunya.

 

Aprendi a conviver com a dor, mas tem vezes que eu não aguento e tenho que tomar analgésico. Antes caminhava todos os dias. Agora, se caminho num dia, tenho que descansar dois ou três porque fico todo dolorido. Também não posso com muito peso como antes“, contou o aposentado. Uma outra paciente, Jaciane Braz, de 57 anos, relatou que passou a usar sapatos maiores devido ao inchaço nos pés, após ser diagnosticada com chikungunya.

_94264333_6fb96690-98e4-4267-8733-24a96c04e0e5

Sofri um AVC e logo depois veio a febre chikungunya. Mas só consegui marcar consulta para confirmar a doença sete meses depois porque não tinha vaga no hospital“, desabafou Jaciane. Segundo os médicos a maiorias das pessoas que participaram da pesquisa são mulheres, devido ao fato de os homens não procurarem atendimento médico quando estão com a saúde debilitada.

 

Os médicos orientam as pessoas que estão sofrendo de lesões linfáticas após serem diagnosticadas com chikungunya, a usar meias de compressão, realizar drenagem linfática e deixar os membros levantados para melhor circulação. Secretaria de Vigilância em Saúde do governo federal divulgou o último boletim epidemiológico e revelou que em 2016 foram registrados 271.824 mil casos de chikungunya no país. Em 2015 foram registrados 36 mil casos, o que mostra um aumento significativo.

 

A maioria dos casos ocorreu no Nordeste, onde foram registrados 235.136 casos, e no Sudeste, com 24.478 casos informados,segundo o Ministério da Saúde. Surpreendentemente não temos epidemia como era previsto neste verão, mas o aumento de casos e mortes preocupa e, indiscutivelmente, os números são muito maiores do que esses e a tendência é continuar, infelizmente“, disse o infectologista Rivaldo Venâncio da Cunha, coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz.

 

O governo federal intensificou a atuação contra o mosquito transmissor da febre de Chikungunya, Dengue e Zika com campanhas publicitárias em TV, rádio, internet e outros meios, distribuição de testes rápidos de Zika, campanhas educativas e mutirões de faxina“, informou o Ministério da Saúde. Mais de 100 países já registraram casos de chikungunya segundo um levantamento feito pelo Hospital para Doenças tropicais em Londres.

 

Para a maioria dos pacientes é uma doença viral autolimitada (seus sintomas acabam desaparecendo sozinhos), mas para muitos a artralgia pode ser muito prolongada e debilitante. A mortalidade devido a condição é considerada baixa, mas complicações como encefalite, especialmente em indivíduos imunodeprimidos, pode ocorrer (também)“, disse Mike Brown, médico especialista em doenças infecciosas e medicina tropical da instituição.

 

Ainda segundo Brown, a organização de rede de vigilância global e tropical de medicina Geosentinel já registrou casos de pacientes de chikungunya importados para a Europa, mais precisamente na França e na Itália. Cerca de dois, três anos atrás, alguns hospitais, como o nosso, passaram a ter atendimento clínico dedicado a pacientes com chikungunya com uma equipe formada por reumatologistas e especialistas em medicina tropical para melhor gerenciar e entender casos relacionados de artralgia e artrite“, finalizou Brown.

[ BBC ] [ Fotos: Reprodução / BBC ]

Jornal Ciência