Novos dados permitem que astrônomos digam quando e como o Sol morrerá

Depois que os especialistas compreenderam melhor os dados de emissão observados em várias estrelas, eles foram capazes de desenvolver modelos mais completos para determinar o tempo de “vida” do Sol

de Redação Jornal Ciência 0

Embora a morte final do Sol ocorra em bilhões de anos, a vida do astro sob sua fase atual, conhecida como sequência principal, na qual a fusão nuclear do hidrogênio permite que ele irradie energia e forneça pressão suficiente para impedi-lo de colapsar sob sua própria massa, acabará muito antes.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

“O Sol tem pouco menos de 5 bilhões de anos. Ele é uma espécie de estrela de meia-idade, no sentido de que sua vida será da ordem de 10 bilhões de anos ou mais”, disse Paola Testa, astrofísica do Observatório Astrofísico Smithsonian, ao Live Science.

Quando o Sol tiver consumido a maior parte do hidrogênio em seu núcleo, ele entrará em sua próxima fase como uma gigante vermelha.

Nesse ponto, cerca de 5 bilhões de anos a partir deste ponto, ele vai parar de gerar calor por meio da fusão nuclear e seu núcleo se tornará instável e se contrairá, de acordo com a NASA.

Enquanto isso, a parte externa do Sol se expandirá e brilhará em vermelho à medida que esfria. Esta expansão irá gradualmente devorar planetas vizinhos e esmagar o campo magnético da Terra.

O Sol então começará a fundir o excesso de hélio em carbono e oxigênio, antes de finalmente entrar em colapso em seu núcleo, deixando para trás uma nebulosa planetária em suas camadas externas à medida que se encolhe em um corpo estelar significativamente mais quente e denso, conhecido como anã branca.

Esta nebulosa só será visível por cerca de 10.000 anos, de acordo com a astrofísica Testa. A partir daí, o que resta do Sol levará bilhões de anos esfriando antes de finalmente se tornar um “objeto não-emissor”.

Depois que os astrônomos e astrofísicos tiveram um melhor entendimento da fusão, eles foram capazes de fazer modelos mais completos para determinar a vida das estrelas.

“Ao reunir muitas informações diferentes de muitas estrelas, astrônomos e astrofísicos foram capazes de construir um modelo de como as estrelas evoluem. Isso nos dá uma estimativa bastante precisa da idade do Sol”, disse Testa, que estuda os mecanismos e processos de aquecimento das emissões de raios-X nas camadas externas da atmosfera de nossa estrela.

Fonte(s): RT Imagens: Reprodução / NASA

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência