Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Mãe alérgica à gravidez que arranhou a pele até sangrar diz que parecia que seu bebê estava “tentando matá-la”

de Gustavo Teixera 0

Uma mãe pela primeira vez contou como ela ficou alérgica ao seu bebê depois que surgiu uma erupção vermelha em todo o corpo.

Jessica Williams, de 23 anos, de Waterlooville, Hampshire, na Inglaterra, viu a alergia desaparecer diante de seus olhos minutos depois de ter dado à luz. Infelizmente, a mãe sofreu uma série de problemas durante a gravidez da filha Ivy, agora com seis meses.

“Era como se meu bebê estivesse tentando me matar. Eu tinha muita coceira e passava noites acordada. Mas fiquei aliviada por Ivy nascer saudável apesar da minha gravidez agitada”, disse Jessica.

mae-alergica-a-gravidez_2

Jessica conheceu seu marido, Dan Powell, de 28 anos, em setembro de 2014 e o casal descobriu que estava esperando seu primeiro filho em janeiro de 2016.

“Foi definitivamente uma surpresa, mas ficamos muito felizes. Fiquei chocada e estávamos empolgados em formar uma família”, disse Jessica. Mas, com apenas sete semanas de gravidez, Jessica foi atingida por uma alergia intensa.

mae-alergica-a-gravidez_4

“Eu estava vomitando 10 vezes por dia e não conseguia comer nada. Ficou tão ruim que fui hospitalizada por desidratação. Felizmente, minha doença não afetou o bebê e fiquei aliviada quando a nossa análise de 12 semanas mostrou que tudo estava bem.”, disse ela.

Dois meses depois, a doença de Jessica persistia e, após ter sido submetida a testes, ela foi diagnosticada com gripe suína, mas em 15 dias se recuperou.

Os problemas de Jessica continuaram, e uma manhã, quando estava com 28 semanas de gestação, não conseguia sentar e seu peito estava pesado.

mae-alergica-a-gravidez_5

“Minha mãe ficou tão preocupada que me levou para o médico, que ligou para uma ambulância depois de perceber quão alta estava minha pressão sanguínea.”, recordou Jessica.

No Hospital Queen Alexandra, em Portsmouth, na Inglaterra, os médicos disseram que ela tinha coágulos de sangue nos pulmões que poderiam ser fatais. “Foram-me dados comprimidos para diminuir o sangue. Mas tudo o que me importava era o bem-estar do meu filho que estava para nascer”, disse ela.

mae-alergica-a-gravidez_3

“Os médicos descobriram que eu tinha anemia, uma condição comum na gravidez”, completou. Pior ainda, com 38 semanas de gravidez, Jessica desenvolveu uma irritação vermelha em sua barriga e, uma semana depois, a erupção havia se espalhado por todo o corpo.

“Eu fiquei tão envergonhada que me recusei a mostrar. A coceira tornou-se insuportável e eu estava constantemente inquieta. Cocei tanto minha pele tanto que até sangrou”, comentou Jessica.

Ela foi diagnosticada com erupção polimórfica da gravidez (PEP), condição relacionada com as alterações hormonais, e foi medicada com anti-histamínicos para acalmar a erupção cutânea.

Duas semanas mais tarde, em setembro de 2016, Jessica entrou em trabalho de parto e deu à luz Ivy, que nasceu totalmente saudável. Ivy agora tem seis meses e está bem, apesar de todas as complicações de saúde que sua mãe sofreu durante a gravidez.

Fonte: Daily Mail Fotos: Reprodução / Daily Mail

Jornal Ciência