EUA corre risco de sofrer uma tempestade solar devastadora

de Julia Moretto 0

Cientistas elaboraram o primeiro mapa que mostra as áreas dos EUA que possuem o risco de tempestades geomagnéticas catastróficas. Esse fenômeno é gerado por energia em erupção do Sol.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Apesar de ser um evento raro, quando manifestada, uma corrente de partículas altamente carregadas pode perturbar o campo magnético da Terra, causando estragos em redes de energia elétrica na superfície. Para se ter ideia, uma poderosa ejeção solar poderia nos enviar de volta à Idade das Trevas por meses ou mesmo anos, causando falta de energia generalizada em todo o Planeta.

tempeestades-solares_1
Love et al / Letras de Pesquisa Geofísica

Saber que determinadas redes de energia estão mais sujeitas a serem atingidas por uma intensa tempestade não é uma boa notícia. Por isso, pesquisadores do US Geological Survey desenvolveram um mapa que apresenta as áreas em risco.

As zonas mais próximas dos polos magnéticos da Terra recebem a maior barragem de partículas durante uma tempestade solar. Outro fator em jogo é a condutividade da rocha debaixo de regiões com certos tipos de crosta – como a rocha sedimentar, que proporciona maior condutividade elétrica. Para avaliar quais regiões enfrentam maior risco de uma tempestade geomagnética, equipe analisou os dados do INTERMAGNET, uma rede global que monitora o campo magnético da Terra.

Eles também analisaram os dados do programa National Science Foundation EarthScope, que registra condutividade elétrica no solo através de uma rede de centenas de sensores posicionados em todo o país. Embora o mapa ainda não abranja a totalidade dos EUA, ele já mostra as regiões em perigo, como é o caso de Minnesota e Wisconsin.

Mais da metade dos EUA ainda não foi analisada pelos estudiosos, já que eles não possuem aprovação do Congresso para financiamento do restante do trabalho. Os cientistas advertem que é de extrema importância a finalização do estudo, principalmente no nordeste dos Estados Unidos, devido à densidade populacional nos centros metropolitanos e a infraestrutura da região.

Segundo os pesquisadores, as tempestades geomagnéticas ocorrem aproximadamente, a cada 100 anos e é apenas uma questão de tempo até a próxima aparecer. A última tempestade solar ocorrida foi o Evento Carrington, em 1859, quando os sistemas de telégrafo dos EUA e da Europa quebraram.

No mundo de hoje, a dependência da sociedade na eletricidade é maior do que nunca, então as consequências de um fenômeno desse porte poderiam ser traumatizantes. Por esse motivo, é importante estudar quais lugares são mais propícios para esse tipo de acidente.  “A esperança é ajudar empresas de energia a descobrirem onde suas redes têm pontos fracos e como seus sistemas podem responder e aliviar os problemas“, disse o geofísico Jeffrey Amor. A pesquisa completa fui publicada na Geophysical Research Letters.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência