Dentro de enorme pirâmide, arqueólogos descobrem duas outras menores escondidas

de Merelyn Cerqueira 0

Arqueólogos confirmaram a existência de mais uma pirâmide secreta escondida dentro da emblemática pirâmide maia de Kukulcán, no leste do México.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Disposta como uma verdadeira matriosca (boneca russa), a gigante guarda outras duas outras menores escondidas em seu interior. A última, e mais recentemente descoberta, é a segunda já encontrada, segundo informações da Science Alert. A primeira das pirâmides secretas foi descoberta na década de 1930. O novo achado, um pouco menor, foi encontrado dentro desta primeira, e de acordo com os pesquisadores, as descobertas podem não parar por aí.

piramide-maia_02
Tomografia realizada por pesquisadores descobriram outra pirâmide no interior da pirâmide de Kukulcán.

Para o antropólogo Geoffrey Braswell, da Universidade da Califórnia, nos EUA, que não esteve envolvido no estudo, as coisas são mais complicadas do que parecem. Segundo ele, as pirâmides podem ser um conjunto de várias outras, todas escondidas uma dentro da outra – como uma boneca russa.

Construída em algum período entre os séculos 9 e 12, a pirâmide de Kukulcán é a peça central do vasto complexo de Chichen Itza, em Yucatán, no México. Também conhecida como “El Castillo” (O Castelo), ela possui 364 degraus – um para cada dia do ano no sistema do calendário maia – e 24 metros de altura. Ainda, um templo de 6 metros de altura localizado no topo dela foi construído em homenagem a Kukulcán, deus das serpentes.

No ano de 1931, arqueólogos começaram a investigar o interior da construção, suspeitando que dentro dela poderia haver restos de uma versão ainda muito mais antiga. No entanto, a teoria foi amplamente desacreditada à época. Nos cinco anos seguintes, eles descobriram uma sala que foi apelidada de “salão de oferendas”, uma vez que continha uma estátua gigante de Chac mool, com unhas, dentes e olhos feitos de madrepérolas.

Também foi encontrado um cômodo que foi chamado de “câmara de sacrifícios”, que continha duas fileiras meticulosamente organizadas com ossos humanos, além de uma elaborada estátua de jaguar de cor vermelha, incrustada com uma série de pedras de jade. Então, eles notaram que ali dentro havia uma pirâmide mais antiga escondida, com cerca de 33 metros de altura.

A descoberta mais recente foi confirmada a partir de uma técnica de imagem não invasiva, chamada de tomografia de resistividade elétrica tridimensional, e relatava a existência de uma estrutura piramidal com menos com 10 metros de altura, escondida dentro das duas outras maiores.

No entanto, neste ponto, ainda não está claro se essa estrutura é a mesma detectada na década de 1940 ou algo completamente novo. Curiosamente, ela parece ter sido construída acima de um dreno de água, chamado cenote, que os pesquisadores descobriram no ano passado.

Não se sabe ao certo se os maias estavam cientes da existência do dreno, mas o fato de que as pirâmides foram construídas diretamente sobre ele, e que Kukulcán também era considerado deus da água, sugere que, talvez, tivessem consciência disso. De acordo com a antropóloga René Chávez Segura, da Universidad Nacional Autónoma de México, a menor pirâmide provavelmente foi construída entre 550 e 800 d.C., enquanto a estrutura média entre 800 e 1.000 d.C., e a externa, e maior, terminada em 1.050 e 1.300 d.C.

As descobertas ainda não foram publicadas em um periódico especializado, uma vez que datas e outros números precisarão ser verificados por equipes independentes. No entanto, espera-se que as investigações continuem para que possamos descobrir se dentro da terceira pirâmide ainda há outras menores escondidas, o que, de acordo com os especialistas, fornecerá mais informações sobre como o assentamento se desenvolveu.

[ Fonte: Science Alert ]

[ Foto: Reprodução / Pixabay / Unam University ] 

Jornal Ciência