Agricultores mexicanos combatem a seca através de “chuva sólida”

de Merelyn Cerqueira 0

Durante mais de uma década, agricultores mexicanos lutaram contra severas secas que condenaram plantações e animais. Para combater isso, eles passaram a utilizar um método chamado de “Solid Rain” (Chuva Sólida).

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Basicamente, ela consiste em um pó feito de polímeros superabsorventes capazes de sorver água até 500 vezes mais do que seu tamanho original e mantê-la no solo por até um ano, segundo informações da Oddity Central. O método de foi criado em 1970, quando o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos desenvolveu um produto feito de um tipo de amido conhecido por suas propriedades absorventes. Especialmente nos EUA, ele tem sido utilizado principalmente em fraldas descartáveis, mas, um engenheiro químico mexicano, Sérgio Rico Velasco, viu no produto uma oportunidade para combater a seca que assola seu país.

agricultores-mexixanos-combatem-a-seca-com-chuva-solida_2

Ele então, desenvolveu e patenteou uma versão diferente do poliacrilato de potássio, que quando misturado ao solo lentamente alimenta as plantas com água por um longo período de tempo. Sua empresa, Solid Rain (Chuva Sólida), tem discretamente comercializado o produto por mais de 10 anos. São necessários apenas 10 gramas do pó para absorver até um litro de água. Quando isso ocorre, o produto se torna uma espécie de gel translúcido e espesso. A água não evapora e nem flui para o solo e o gel atua como um reservatório subterrâneo exclusivo para as raízes das plantas. De acordo com a empresa, o produto pode durar de 8 a 10 anos, especialmente se água utilizada for limpa.

agricultores-mexixanos-combatem-a-seca-com-chuva-solida_3

Um estudo, realizado pelo governo mexicano do estado de Hidalgo, descobriu que as empresas agrícolas que usaram a técnica apresentaram até 300% de aumento nos lucros em relação às áreas que não utilizaram o produto, em um período de um ano. Nas plantações de girassol, por exemplo, o rendimento foi de 3.000 quilos por hectare quando o melhoramento foi utilizado, em comparação aos 1.000 kg por hectare, em condições regulares. Para o feijão, a diferença foi ainda maior: 3.000 kg em comparação a apenas 450 kg.

Apesar de estar fazendo maravilhas no México, o produto ainda é pouco conhecido no mundo. A empresa mexicana praticamente não investiu em marketing e conta apenas com a indicação dos agricultores locais. Agora, como a mídia passou a noticiar os feitos, a empresa está recebendo pedidos de países com regiões áridas, como a Índia e Austrália. De acordo com Edwin González, vice-presidente da Solid Rain, o produto é natural é não causa danos ao solo, mesmo quando utilizado por vários anos. “Ele é feito de uma bio-acrilamida que desintegra a substância em pó para se tornar parte da planta. Não é tóxico”, disse.

Contudo, a Solid Rain também já atraiu a atenção de críticos, como a da especialista Dr.ª Linda Chalker Scott, da Universidade Estadual de Washington, nos EUA. Ela afirmou que o produto não é novidade e que não há evidências científicas de que ele possa reter água no solo por mais de um ano ou década. “Conforme os géis começam a secar, eles absorvem a água circundante de forma mais vigorosa. Isso significa que eles vão começar a pegar a água diretamente das raízes das plantas”, disse.

Entretanto, o uso do produto em condições reais já se mostrou eficaz, dados os números de crescimento de rendimento, além dos relatos de agricultores locais, como Frank Torres, de Sinaloa, que disse ter contado com a Solid Rain para aumentar sua produção em 50%. A empresa foi indicada duas vezes para o prêmio Global Water Awards e recebeu o Ecology and Environment Award fornecido pela Fundacion Miguel Aleman.

[ Oddity Central ] [ Fotos: Reprodução / Oddity Central ]

Jornal Ciência