Copa América trouxe nova variante colombiana para o Brasil

A confirmação veio após análise genética do Instituto Adolfo Lutz e a cepa foi identificada no Mato Grosso

de Redação Jornal Ciência 0

Até o momento, pelo menos uma nova cepa do coronavírus, de origem colombiana, foi identificada no Brasil após os jogos da Copa América.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

As análises foram feitas pelo Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo. Nas amostras coletadas, duas pessoas estavam infectadas com a nova variante chamada B.1.216 — que até então era inédita no Brasil.

As amostras foram colhidas de dois atletas, um da seleção colombiana e outro da seleção do Equador, que jogaram em 13 de junho, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

Oficialmente, a Conmebol confirmou que 166 pessoas que estavam relacionadas à Copa América foram testadas e positivadas para a Covid-19.

Esta era a maior crítica dos especialistas sobre a permissão da realização do evento no país, visto que vários turistas, bem como a comissão de jogadores e pessoas ligadas ao evento poderiam trazer novas variantes.

A variante B.1.216 teve origem na Colômbia. Ela já foi identificada em poucas partes da Europa, Caribe e EUA. Os cientistas acompanham de perto esta mutação para entender se ela oferece maiores riscos.

Até o momento, acredita-se que esta mutação não seja mais infecciosa ou tenha maior letalidade. Ainda não há informações se mais pessoas foram infectadas ou quantas teriam sido contaminadas com a variante colombiana.

Fonte(s): Portal R7 Imagens: Reprodução / Salty View / Shutterstock.com

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência