Como manter o desejo sexual mesmo em um relacionamento longo?

de Gustavo Teixera 0

Aqueles em relacionamentos de longo prazo conhecem bem os estágios: no início, você mal consegue manter as mãos longe da pessoa amada, mas dois anos depois, vocês estão espremendo espinhas e fazendo outras coisas desse tipo.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

E não é assim mesmo a intimidade verdadeira? Mas para muitos casais, alcançar esse nível de intimidade tem um custo. A queda do desejo sexual é uma conhecida incoerência que surge da intimidade. Conforto e segurança substituem o desejo sexual, mas isso não é uma regra para todos os casais.

Mas, como a Ciência pode te ajudar nesse caso? Por mais esquisito – e até broxante – que possa parecer, pesquisadores descobriram que fazer o parceiro se sentir especial (com compreensão e cuidados) é essencial para a relação esquentar. Esse é um caso de responsividade, que se refere a atitudes compreensivas que, através do apoio emocional, desenvolvem autonomia e autoafirmação, que são extremamente importantes para um relacionamento.

A capacidade de resposta é a pedra angular da intimidade. Quando um parceiro é verdadeiramente responsivo, o relacionamento parece especial e exclusivo. Assim, é como se o sexo melhorasse um relacionamento já valioso”, explicou o líder do estudo, Gurit Birnbaum, do Centro Interdisciplinar Herzliya, em Israel.

Com uma pesquisa de três etapas, cerca de 100 casais heterossexuais foram utilizados na amostra. No primeiro experimento os pesquisadores “enganaram” os casais e disseram que eles iriam trocar mensagens com seus respectivos parceiros, mas na verdade eles falaram com os próprios pesquisadores, que davam respostas responsivas.

Após essa etapa, foram dados aos casais questionários que mediam quão responsivos eram seus parceiros, bem como a vontade de ter relações com seus companheiros ou companheiras. Os resultados nessas etapas mostraram que as mulheres sentiam mais vontade de se relacionar com seu parceiro quando ele se mostrava mais responsivo.

Já no segundo experimento, foi pedido aos casais que se beijassem e se tocassem de maneira íntima, com uma conversa entre eles. Essa etapa foi gravada e posteriormente analisada para medir o quanto de responsividade e desejo havia na ocasião. E mais uma vez o resultado mostrou que as mulheres ficavam com maior desejo quando seus parceiros eram mais carinhosos e atenciosos, ou seja, mais responsivos. Em uma terceira fase de experimento, os casais anotaram durante seis semanas os níveis de responsividade e, consequentemente, de desejo sexual.

Além disso, eles anotaram alguns fatores que tornam uma pessoa atraente, como inteligência, atitudes e dentre outras características. E o resultado desta fase foi o mesmo tanto para os homens quanto para mulheres. Ambos se desejavam mais quando sentiam seus parceiros mais responsivos, ou quanto mais especiais se sentiam.

Portanto, uma conclusão nítida pode ser tirada deste experimento: quanto mais especial você faz seu parceiro ou parceira se sentir, maior o desejo sexual. E isso pode fazer as coisas esquentarem em algumas relações. Mas, como já foi dito, essa não é uma regra que necessariamente acontece com todos os casais. A maioria dos casais da pesquisa estavam juntos por apenas alguns anos, tinham entre 20 e 40 anos e todos eram israelenses.

Após esse curioso e explicativo estudo, Birnbaum quer agora saber se a responsividade pode ajudar a evitar traições em um relacionamento. Embora seja uma pesquisa bastante conclusiva, o amor não é uma Ciência exata, e nós vamos ter que continuar a viver e amar intensamente para descobrir a chave de um relacionamento saudável.

[ Ozy ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência