Cogumelos podem combater o Alzheimer, dizem os cientistas

de Gustavo Teixera 0

Segundo um novo estudo, cogumelos poderiam ser um alimento indicado para prevenir o Alzheimer.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Os cientistas descobriram que eles contêm compostos bioativos que podem desempenhar um papel na redução ou atraso no desenvolvimento da neurodegeneração. Estima-se que cerca de 5,1 milhões de norte-americanos tenham a doença de Alzheimer e, em todo o mundo, 42 milhões de casos são esperados até 2020. Apesar do avanço da medicação, o manejo dessas doenças permaneceu em grande parte ineficaz.

 

Porém, novas pesquisas mostram que as propriedades de certos cogumelos comestíveis e medicinais poderiam melhorar o crescimento dos nervos do cérebro e proteger contra as causas de doenças relacionadas à idade. Evidências anteriores provaram que os cogumelos exibem atividades antioxidantes, antitumorais, antivírus, anticancerígenas, anti-inflamatórias, antimicrobianas e antidiabéticas.

 

Cogumelos com propriedades anti-inflamatórias podem ser usados como alimentos funcionais para combater a pressão arterial elevada, que contribui para muitas doenças crônicas relacionadas à idade, incluindo doenças neurodegenerativas, de acordo com pesquisadores.O estudo, realizado na Universidade da Malásia, analisou a informação científica disponível sobre cogumelos, seus compostos e os resultados de testes farmacológicos. Os cientistas selecionaram 11 tipos diferentes de cogumelos comestíveis e medicinais e estudaram seus efeitos nos cérebros de ratos.

 

Eles descobriram que cada cogumelo aumentou a produção do fator de crescimento nervoso (NGF), uma molécula envolvida principalmente na regulação do crescimento, manutenção, proliferação e sobrevivência de certas células nervosas no cérebro. Por sua vez, isso promoveu a regeneração nervosa periférica nos ratos – a rede de nervos motores e sensoriais que conectam o cérebro e a medula espinhal.

 

Como os cogumelos estimulam a produção de NGF, poderiam proteger os neurônios de substâncias químicas que causam a morte celular, dizem os pesquisadores. Cogumelos específicos também foram considerados benéficos para o cérebro. Cordyceps, considerado um cogumelo medicinal na farmacologia asiática clássica, impediu a morte celular neuronal e perda de memória devido aos seus efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios.

 

O cogumelo juba-de-leão, um comestível raro usado para fins culinários e medicinais na China e no Japão, mostrou ter efeitos positivos sobre a deterioração cognitiva leve. E o cogumelo Reishi, considerado há muito tempo um remédio, mostrou evidência em melhorar habilidades cognitivas e aumentar a longevidade. No entanto, os cientistas dizem que os efeitos dos cogumelos sobre o cérebro e a saúde cognitiva estão em seus estágios iniciais de pesquisa em comparação com a fitoterapia, que já é amplamente explorada e relativamente mais avançada.

 

Tais pesquisas passaram a se concentrar em duas ervas, pervinca e ginseng, que provaram aumentar a função cognitiva. Os cientistas descobriram também que um dos óleos essenciais que geram seu perfume agradável melhora a velocidade e a precisão ao executar certas tarefas mentais. “Em contraste com o corpo de literatura sobre ingredientes alimentares que podem melhorar doenças cardiometabólicas e câncer, poucos estudos têm focado em alimentos que podem beneficiar as doenças neurodegenerativas”, disse Sampath Parthasarathy.

 

O presente estudo pode estimular a identificação de mais materiais alimentares que são neuroprotetores”, completou. Os pesquisadores concluíram que, devido ao crescente número de pessoas com demência e outras doenças relacionadas, é “vital” continuar a explorar os alimentos que têm benefícios medicinais.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência