Por que o pênis humano tem formato de cogumelo? Surpreendente pesquisa encontrou a resposta

de Redação Jornal Ciência 0

Os homens estão familiarizados com a aparência de seus órgãos genitais quem lembram o formato de um “cogumelo”. Mas, qual o motivo deste formato?

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Por que cogumelo?

Levando em consideração os primórdios da humanidade, os cientistas evolucionistas acreditavam que, por mais bizarro que possa parecer, o pênis dos machos teria evoluído tornando-se uma “ferramenta” para remover o sêmen dos rivais amorosos que poderiam ter se acasalado anteriormente com as fêmeas.

A teoria por trás disso é bastante simples — basicamente, um homem queria garantir que ele fosse o único a transmitir sua linhagem genética e ser o vencedor que conseguiria engravidar.

Isso, é claro, estamos falando de teorias antigas sobre tempos em que o ser humano tinha comportamento selvagem, ainda em processo de desenvolvimento nas florestas.

Mas, o professor Gordon Gallup, da Universidade Estadual de Nova York, liderou uma equipe de cientistas que realizou uma investigação sobre a anatomia do pênis humano e seu uso.

Eles descobriram que o formato, onde a crista (bordas da glande), que separa a cabeça de seu eixo (corpo do pênis), pode realmente limpar o canal vaginal do esperma deixado por uma relação sexual anterior — confirmando que a teoria evolucionista antiga, por mais maluca que pareça, agora tem fundamentação científica.

Isso significava que um novo parceiro amoroso, nos primórdios da humanidade, poderia remover resquícios de sêmen de um competidor e substitui-lo por seu próprio esperma, visando ser o único a perpetuar sua linhagem.

No estudo científico, a teoria foi testada em laboratório usando pênis e vaginas realistas de látex, com todos os dados e análises calculados e avaliados.

O estudo usou uma mistura de água e amido de milho para simular o sêmen. Os pesquisadores provaram que a crista ao redor da cabeça do pênis consegue retirar mais de 90% do “sêmen” anterior em apenas uma única penetração, após a retirada do órgão.

O professor Gallup disse: “Nós teorizamos que, como consequência da competição pela paternidade, os machos humanos desenvolveram pênis de configuração única, que funcionam para deslocar o sêmen da vagina deixado por outros machos”.

“Assim, o pênis humano pode permitir que os machos substituam o sêmen de seus concorrentes”, ressaltou Gallup.

O professor e sua equipe disseram que dados psicológicos sobre o comportamento sexual humano mostram evidências de que casais tendem a ter relações sexuais mais “enérgicas” se a mulher estiver sob suspeita de traição ou quando um casal está separado e tem “recaídas”.

Isso, disse o professor, poderia ser um desejo do subconsciente de retirar de sua parceira qualquer vestígio de sêmen de outro homem — já que nós, humanos, somos uma espécie complexa que mantém comportamentos que ainda são alvos de estudo pela Psicologia.

Uma das cientistas do estudo, Rebecca Burch, acrescentou que, nos primórdios, homens de pênis grande tinham mais vantagens, pois deixavam seu sêmen em uma área mais profunda da vagina e, ao penetrar, expandiam o órgão feminino, permitindo maiores chances de que seu sêmen fecundasse, maximizando suas possibilidades de paternidade.

Antes desta pesquisa atual, a teoria sobre o formato de cogumelo tinha vários séculos, sempre endossada por cientistas evolucionistas.

Embora o estudo possa fornecer uma prova sobre a possível evolução de formato do pênis humano, é provável que, nos tempos atuais, não tenha nenhuma importância em termos de fecundação.  

E os pênis que não têm este formato? Existem muitos tipos diferentes de formatos de pênis. Não existe uma forma clínica padrão para como um pênis deveria ser.

Embora a maioria dos homens tenham variações que lembram o formato de cogumelo, o estudo não levou em consideração homens com pênis de formatos diferentes da média. O estudo foi publicado na revista científica Journal of Evolutionary Psychology.

Fonte(s): The Sun Imagens: Divulgação

Jornal Ciência