Após 6 anos com pênis criado e enxertado no antebraço, homem tem órgão transplantado; entenda

O homem perdeu o pênis após infecção generalizada. Agora, teve o membro construído e colocado no “lugar certo” após usar o antebraço como hospedeiro

de Redação Jornal Ciência 0

Malcolm MacDonald, 45 anos, estava desesperado para que seu pênis artificial, pendurado em seu antebraço, fosse retirado para ser transferido para o lugar que deveria estar. A tecnologia foi financiada pelo sistema público de saúde do Reino Unido (NHS), pelo valor de 50.000 libras — mais de R$ 300.000.  

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

“Claro que é loucura, ter um pênis em seu braço. Eu já estou acostumado, mas quando você pensa sobre isso, é realmente incrível”, disse Malcolm em entrevista ao jornal britânico The Sun.

O que aconteceu?

Malcolm lutou por anos para controlar uma infecção, sem causa conhecida, que surgiu em seu períneo.

Mas, a infecção evoluiu para septicemia — uma condição grave que ocorre quando microrganismos caem na corrente sanguínea. Também chamada infecção generalizada, com potencial de causar amputações ou ser fatal.

Como resultado, as extremidades do corpo podem começar a morrer por necrose. Foi o que aconteceu com as pontas de alguns dos dedos, dos pés e das mãos, além do pênis

Malcolm ficou “totalmente arrasado” quando seu pênis caiu em 2014, mas os testículos ficaram intactos e não foram afetados pela septicemia.

“A infecção se espalhou para os meus dedos, das mãos e dos pés, e ficaram pretos. Quando vi meu pênis ficar preto, fiquei fora de mim”, relembra Malcolm.

“Eu estava em completo pânico. Eu sabia que no fundo ia perdê-lo. Então, um dia, ele simplesmente caiu no chão. Como já havia passado pela devastação de saber o que ia ocorrer, simplesmente o peguei e joguei no lixo”, disse.

“Por 2 anos, depois de perder meu pênis, sentia como a sombra de um homem. Minha vida realmente desmoronou porque eu não tinha autoconfiança. Bebia demais, eu não via minha família e amigos”, conta.

A cirurgia

Conhecido como “Mestre dos Pênis”, o professor e médico urologista, Dr. David Ralph, da University College Hospital de Londres, é especialista na construção de pênis, do absoluto zero.

O Dr. Ralph informou para Malcolm que o procedimento envolvia fazer um enxerto no braço e avisou que poderia levar até 2 anos para concluir o processo — mas ninguém imaginava que seriam 6 anos.

Como é feito?

Os cirurgiões escolhem a pele do antebraço para construir um pênis novo devido à qualidade e sensação da pele.

Um pedaço de pele é retirado do antebraço esquerdo e enrolado em uma veia retirada da coxa, para formar um pênis com vasos sanguíneos e nervos. Em seguida, dividem os vasos sanguíneos e nervos do antebraço e transplantam para a área genital somente quando for oportuno, deixando-o no antebraço. 

No processo final, e já com o pênis pronto, os médicos reconstroem a uretra e instalam dois tubos inflados dentro do pênis, com uma bomba manual instalada no saco, para permitir ereção mecânica.

A cirurgia foi realizada após 9 horas com a equipe médica em ação. Após 6 anos com um pênis de 15 cm anexado ao braço, Malcolm tem finalmente o pênis “no lugar certo”.

“Você pode imaginar seis anos de sua vida com um pênis balançando em seu braço? Foi um pesadelo, mas agora acabou”, disse Malcolm no documentário para a TV britânica chamado “O Homem Com Um Pênis No Braço”.

Agora, Malcolm tem um pênis comum, que pode ser preenchido com solução saliva através de uma bomba dentro do saco escrotal. Isso restaura sua saúde, permitindo-o ir ao banheiro, além de possibilitar uma vida sexual normal.

“Foi uma operação de 9 horas. A primeira coisa que fiz foi olhar para baixo. Eles conseguiram desta vez. Me sinto como um homem de verdade novamente. Foi o primeiro passo para ir ao banheiro e ter intimidade com alguém”, desabafou Malcolm.

Cirurgias de pênis biônicos

Um russo, que não quis deixar o nome nos registros, foi um dos primeiros do mundo a ter um pênis biônico, construído a partir de tecidos de seu antebraço, em 2005.

Em 2013, um segurança do Reino Unido, Mohammad Abad, na época com 40 anos, revelou que tinha um pênis biônico ajustado depois de perder o dele em um acidente na infância.

Em 2018, Andrew Wardle, da Inglaterra, deitou-se com a namorada Fedra Fabian pela primeira vez com seu pênis biônica depois de nascer sem o órgão.

Nos dois últimos casos, o pênis foi criado com tecido de seus antebraços pelo Dr. Ralph e sua equipe. Agora, Malcolm entra para a seleta lista.

Fonte(s): The Sun / The Sun Imagens: Reprodução / The Sun

Jornal Ciência

no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Obs: É necessário salvar nosso número e enviar “olá” para validar o cadastro. São milhares de leitores. Aproveite. É grátis!

Jornal Ciência