Cientistas japoneses descobrem oxigênio da Terra no solo da Lua

de Redação Jornal Ciência 0

Todos sabemos que não há ar para respirar na Lua, mas novas evidências sugerem que a superfície lunar está continuamente sendo regada pelo oxigênio que escapa da Terra – e pode ter sido por bilhões de anos, desde quando a atmosfera da Terra se desenvolveu.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

 

Os cientistas descobriram que os íons de oxigênio da atmosfera da Terra são transportados para a Lua uma vez por mês, durante uma janela de cinco dias, quando o satélite lunar passa pela magnetosfera protetora do Planeta. Neste tempo, a Lua passa por trás da Terra, recebendo um breve adiamento da explosão do vento solar – sendo pulverizada com um fluxo de material que foge da Terra.

 

Apesar de cientistas já terem sugerido que alguns gases como o nitrogênio poderiam ter ido para a superfície lunar depois de escapar da nossa atmosfera, é a primeira vez que os pesquisadores mostram que o oxigênio – um dos componentes mais importantes da vida na Terra – também poderia ser enviado para a Lua. “Nossa nova descoberta sugere que o sistema Terra e Lua se relaciona não só fisicamente, mas também quimicamente”, disse o astrofísico Kentaro Terada da Universidade de Osaka, no Japão.

 

Os resultados da pesquisa poderiam explicar um mistério de longa data sobre a composição química das rochas na Lua. Uma vez que a Lua não tem um campo magnético protetor como a Terra, ela fica próxima – constantemente bombardeada pelo vento solar – a um fluxo de partículas altamente carregadas emanadas do Sol.

 

Por causa disso, pensou-se que o sedimento lunar tomado da superfície forneceria um fósforo químico do material que compõe o vento solar. Mas quando os cientistas analisaram as rochas lunares em 2006, descobriram que os níveis de oxigênio não correspondem, o que poderia significar que algo mais estava mexendo com a composição do solo lunar.

 

Agora, a equipe de Terada tem uma explicação para o que essa contaminação poderia ser, analisando dados da sonda espacial japonesa SELENE (também conhecida como Kaguya), eles descobriram que a mesma registrou altos níveis de íons de oxigênio – moléculas de oxigênio positivamente carregadas – enquanto orbitava a Lua entre 2007 e 2009. O intrigante é que esses íons de oxigênio não eram constantes. SELENE só detectou o químico durante um período de cinco dias distintos durante cada órbita lunar – o que leva aproximadamente 27 dias. Esse curto período coincidiu com quando a espaçonave e a Lua estavam protegidas do vento solar pela magnetosfera da Terra.

vento-solar-oxigenio-lua_2
Universidade de Osaka / NASA

O campo magnético protetor não é esférico, ele envolve o Planeta em forma de uma lágrima, com a borda arredondada virada para o Sol e a cauda longa – chamada de calda magnética – estendendo-se atrás da Terra. Enquanto a magnetosfera protege em grande parte tudo o que está nela da radiação solar, a força dos ventos solares empurra algumas partículas da atmosfera da Terra para uma seção da calda magnética chamado de plasma – que os pesquisadores dizem ser a explicação mais plausível para como oxigênio da Terra acaba no solo lunar.

 

A atmosfera superior da Terra consiste em íons de oxigênio que são facilmente capturados pelo vento solar e transportados para a Lua”, explicou a equipe de Terada para Rebecca Boyle do The Atlantic.

 

Talvez alguma porção seja implantada na Lua, e alguma porção fique perdida no espaço interplanetário.” Se a hipótese estiver correta, isso poderia significar que a Lua preserva oxigênio antigo desde quando a atmosfera da Terra era muito jovem, já há 2,5 bilhões de anos, sugerem os pesquisadores.

 

Embora a capacidade de examinar esse oxigênio possa ser inestimável para os cientistas que desejam estudar a composição química da atmosfera de bilhões de anos atrás, esses vestígios lunares do passado da Terra podem não ser um laboratório muito conveniente.

 

A superfície da Lua é continuamente bombardeada e alterada por meteoritos, que poderiam ter deslocado os íons de oxigênio, ou enterrados profundamente sob a superfície lunar. Mas os cientistas ainda estão muito interessados ​​em ver como isso pode ser possível – agora que pensamos que a Lua poderia preservar o oxigênio antigo do passado da Terra, há várias novas e intrigantes perguntas para serem feitas.

 

Para mim, parece legal que uma lua de um planeta possa preservar informações sobre o planeta, apenas a partir do vento solar”, disse o cientista planetário Craig Hardgrove da Universidade Estadual do Arizona, que não estava envolvido no estudo.
As descobertas foram publicadas na Nature Astronomia.

[ Science Alert / EOS ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Jornal Ciência