Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Chuvas de diamantes de Urano e Netuno poderiam enriquecer a Terra

de Merelyn Cerqueira 0

Como possuem composições químicas e físicas incomuns, planetas de nosso Sistema Solar, como Urano e Netuno, têm chamado muito a atenção de astrônomos. No entanto, e indo além das motivações científicas, o interesse nos planetas é financeiro. Ambos são capazes de promover o que é chamado de “chuva de diamantes”.

chuva-de-diamante

Segundo experimentos realizados na Universidade da Califórnia, EUA, há indícios de que ambos os planetas, devido à proporção elevada de metano em sua atmosfera, bem como temperatura e pressão altas, possam produzir verdadeiras chuvas de diamantes. Uma vez que se formam, caem como pingos de chuva ou granizo em direção ao centro do planeta”, disse a física Laura Robin Benedetti da UC, em um artigo publicado em 1999 na revista Science.

Saturno e Júpiter também já foram mencionados por possuírem a mesma forma de chuva, e, na verdade, eles teriam atmosferas ainda mais propícias. Apenas em Saturno, estima-se que cerca de 1.000 toneladas de diamantes caiam todos os anos, de acordo com informações da BBC

No entanto, conseguir chegar lá é o primeiro dos problemas, considerando que Netuno, por exemplo, está a quase dois bilhões de anos-luz de distância da Terra. Estima-se que, utilizando a tecnologia que temos hoje, levaríamos cerca de 30 anos para pisar lá. Logo, o interesse em explorar tal riqueza é a motivação para a descoberta de um método alternativo.

Oficialmente não há missões planejadas para qualquer um dos planetas, mas a ideia, supostamente, é que seja construída uma vela de 250 mil metros quadrados, de acordo com o Site de Curiosidades. Quando inflada pela luz do Sol, a vela chegaria a Netuno em apenas três anos.

[ BBC / Space Daily ] [ Fotos: Reprodução / BBC ]

Jornal Ciência