Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Chimpanzés e seres humanos consolam vítimas de maneiras surpreendentemente semelhantes

de Julia Moretto 0

Uma câmera de segurança gravou quatro homens armados vestidos de preto assaltando um supermercado holandês. A câmera os viu apontar uma arma para uma empregada e pegar o dinheiro.

Mais tarde, Marie Lindegaard, cientista do Instituto Holandês para o Estudo do Crime e Aplicação da Lei, analisou este crime e outros 21 roubos comerciais para estudar o comportamento das vítimas e dos assaltantes. 

Após o crime, alguns empregados do sexo masculino se aproximaram da vítima, falando por alguns segundos. Uma funcionária do sexo feminino deixou sua posição no balcão e caminhou pela loja. Ela abraçou intensamente a vítima.

“Ela segurou a vítima em seus braços durante muito tempo, como se elafosse um bebê pequeno”, disse Lindegaard, “abraçando-a e balançando-a para trás e para frente”.

A vítima começou a chorar. Lindegaard e seus colegas relataram jornal PLOS One que as mulheres eram mais propensas a consolar as vítimas do que os homens. 

Se uma vítima fosse empregada, outro empregado tinha mais chances de acalmá-la do que um estranho, um fator que o estudo descreveu como “proximidade social”. Essas descobertas e outras mostram que os humanos são muito parecidos com os macacos.

Apenas algumas categorias foram documentadas cientificamente consolando vítimas de agressão: crianças humanas, chimpanzés, bonobos e gorilas.

O novo estudo é “o primeiro a observar o consolo em adultos”, escreveu Lindegaard em um e-mail para The Washington Post. 

Outros estudos “concluíram que o comportamento de consolação em chimpanzés e outros primatas não humanos era semelhante ao de humanos”, disse ela.

Tanto para humanos como para chimpanzés, os cientistas definiram o consolo como um “toque amigável”. As câmeras registraram 249 pessoas e 3.680 pares possíveis de interações.

O gênero, a proximidade social e a ameaça de violência são fundamentais para isso. 

Quando os ladrões usavam armas ou vítimas ameaçadas de força, as probabilidades de consolação aumentaram acentuadamente. Um colega de trabalho tinha várias vezes mais chances de oferecer consolo do que um estranho.

As mulheres eram cerca de três vezes mais propensas a proporcionar conforto do que os homens. Em quatro dos 22 assaltos, ninguém foi consolado.

Frans de Waal, um primatologista da Universidade Emory que não estava envolvido com a pesquisa, pediu mais estudos como este, com base em observações em vez de pesquisas.

“Muitos estudos humanos com base em questionários não encontram diferenças de gênero na empatia”, disse ele. 

“Em observações da vida real, no entanto, as diferenças de gênero foram encontradas em crianças, com meninas expressando empatia (comportamento de consolação) com mais frequência do que meninos”, disse Waal. Artigo originalmente publicado pelo The Washington Post.

Fonte: Science Alert Fotos: Reprodução / Science Alert

Jornal Ciência