Artista colocou peixinhos dourados em liquidificadores e pediu aos visitantes que os ligassem; uma pessoa ligou

de Redação Jornal Ciência 0

Ao longo da história humana, houve exemplos de pessoas fazendo coisas absolutamente terríveis, por razão nenhuma, apenas pelo fato de que “podem fazer”.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O famoso experimento da Prisão de Stanford — uma experiência psicológica destinada a investigar o comportamento humano em uma sociedade na qual os indivíduos são definidos apenas pelo grupo — mostrou que, com um pouco de poder, uma pessoa facilmente começaria a maltratar os colegas por sua própria vontade.

Uma “obra de arte” controversa e bizarra resolveu levar para o Museu Trapholt, na Dinamarca, em 2003, um “experimento” chamado “Helena & El Pascador”, assinado pelo artista chileno Marco Evaristti, peixinhos dourados vivos dentro de liquidificadores.

Eram 10 liquidificadores, cheios de água e um único peixinho dourado em cada um, nadando ao redor das lâminas. Os visitantes tiveram uma escolha simples: pressione o botão grande “ON” e mate o peixe (sem motivo algum), ou não toque no botão e deixe o peixe viver.

À época, a notícia foi publicada pela BBC, mostrando que a obra pretendia forçar as pessoas “lutarem com suas consciências”.

“Foi um protesto contra o que está acontecendo no mundo, contra esse cinismo, essa brutalidade que impregna o mundo em que vivemos”, relatou o artista Evaristti. 

Talvez, se os liquidificadores estivessem desconectados, a obra de arte teria dado uma excelente lição de moral evocativa — mas o botão “ON” não era decorativo e realmente ligava o liquidificador.

Enquanto a maioria das pessoas não apertava o botão, pelo menos um visitante o fez e matou dois peixinhos dourados em sequência, como se estivesse sentindo prazer em poder fazer “qualquer coisa”.

Há relatados de que outras pessoas queriam apertar o botão, mas antes disso, rapidamente, começaram a surgir reclamações sobre o fato de que os liquidificadores estavam conectados, e a polícia exigiu que o dono do museu, Peter Meyer, desconectasse os aparelhos imediatamente.

Meyer recusou, e a polícia emitiu uma multa de 2.000 coroas dinamarquesas (equivalente hoje a R$ 1.400). Protestando contra a multa em nome da “liberdade artística”, Mayer não pagou o valor e foi levado ao tribunal por crueldade animal.

Surpreendentemente, o tribunal absolveu Meyer da acusação, depois que depoimentos de veterinários explicaram que os peixes teriam morrido instantaneamente, portanto, não foram expostos a sofrimento prolongado. Meyer escapou de qualquer punição, incluindo a multa. 

Anos depois, a peça continua sendo um vislumbre perturbador do sadismo de alguns humanos e do fato de que a crueldade não precisa necessariamente de uma razão ou justificativa.

O artista Evaristti voltou anos depois com outra peça de arte profundamente perturbadora, na qual ele organizou um jantar com almôndegas feitas de sua própria gordura — escandalizando o público.

Fonte(s): IFLScience / BBC Imagens: Reprodução / Romolo Tavani / Shutterstock.com

Jornal Ciência