Mulher morre de doença intestinal crônica após médicos afirmarem que ela “imaginava” boa parte das dores

de Merelyn Cerqueira 0

Michelle Ashby, de 43 anos, do Reino Unido, era vítima de uma condição conhecida como Doença de Crohn.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Ela chegou a visitar, dentro de três anos, mais de 50 vezes um hospital reivindicando sentir muitas dores. Contudo, os médicos lhe disseram, que elas [as dores] eram psicológicas. Ashby morreu em janeiro do ano passado e a causa da morte, primeiramente, foi relatada como pneumonia, causada pela Doença.

doenca-de-Chron_01A doença de Crohn é uma condição crônica que causa a inflamação do sistema digestivo ou parte dele e afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Os sintomas variam, dependendo de qual parte do sistema digestivo está inflamada. Os mais comuns incluem diarreia, dores no estômago, cansaço extremo, perda de peso e sangue/muco nas fezes. Sua causa ainda é desconhecida e não há cura. Porém, atualmente, os sintomas são aliviados com uma dieta específica, ou, em alguns casos, intervenção cirúrgica.

Segundo o marido de Michelle, David Ashby, afirmando em um inquérito, os médicos do Hospital Medway Marine, acreditavam que a esposa estava imaginando a maioria das dores. Em uma ocasião, uma enfermeira chegou a ameaçar expulsá-la do hospital se ela não parasse de gritar.

Nenhum de nós esperava que isso acontecesse com ela. Não fomos informados de que sua condição apresentava risco à vida”, disse. “Em várias ocasiões me foi dito que a dor estava em sua cabeça e que ela estava imaginando tudo isso”. Michelle Ashby foi diagnosticada com a doença em 1992 e passou os últimos três anos fazendo visitas constantes ao hospital. Ela deixou três filhos, com idades de 24, 12 e 5 anos. Bem como quatro netos.

De acordo com a assistente de legista, Kate Thomas, o exame post-mortem revelou que ela morreu graças a uma falha múltipla dos órgãos, causadas por uma perfuração intestinal. “Se a mulher tivesse passado pela cirurgia, possivelmente o resultado tivesse sido diferente. Possivelmente, mas não provavelmente”, disse. “A cirurgia seria complexa, e poderiam haver complicações que prejudicariam sua qualidade de vida”, completou.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência