Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Em testes, nova droga se mostrou capaz de combater o Alzheimer

de Merelyn Cerqueira 0

Um estudo recentemente concluído, feito com um medicamento para pacientes com Alzheimer, apresentou resultados que os pesquisadores estão considerando promissores. A droga tinha como alvo os depósitos de amiloides – proteínas tóxicas relacionadas ao aparecimento da condição – e em apenas 12 meses, os pacientes que tomaram doses mais elevadas não mostraram mais sinais detectáveis de tais agrupamentos.

Tais doses elevadas foram administradas por mais de seis meses em pacientes que lutavam há mais de 20 anos com a doença. Os cientistas indicaram um abrandamento em relação ao declínio da memória cognitiva.

Segundo o pesquisador e neurologista Stephen Salloway, de Butler Hospital, em Rhode Island, EUA, os resultados são promissores. “Esta é a melhor notícia que tive em meus 25 anos de pesquisa sobre Alzheimer, e traz esperança aos pacientes e famílias afetadas pela doença”, disse em entrevista à revista Nature. “Em comparação com outros estudos publicados no passado, o efeito desta droga é inédito”, disse outro membro da equipe, Roger Nitsch, da Universidade de Zurique, na Suíça, ao The Independent.

aducanumab-droga-combate-Alzaheimer_01

A equipe reuniu 165 participantes diagnosticados em fases iniciais de Alzheimer para testar a eficácia de uma droga baseada em um anticorpo chamado aducanumab. Já havia sido demonstrado que ele ocorre naturalmente nas pessoas que envelhecem sem experimentar declínio cognitivo significativo. Assim, os pesquisadores decidiram ver o que aconteceria se injetassem altas doses desse anticorpo em pessoas no estágio precoce da doença.

Ainda não está muito claro como o aducanumab funciona, mas a equipe anunciou que ele parece atacar os depósitos de amiloide no cérebro, mas não na corrente sanguínea. Os 165 participantes foram divididos em grupos diferentes para que recebessem doses distintas da droga, bem como 40 deles foram colocados em um grupo medicado com placebo.

Dos 103 que receberam a droga uma vez por mês em um período de 54 semanas, todos experimentaram uma redução na quantidade de depósitos de amiloides no cérebro. Descobriu-se que, quanto maior a dose, mais depósitos eram limpos.

Um grupo de 21 pacientes que recebeu doses mais elevadas, ficou sem doses detectáveis de amiloides, mesmo depois de um ano. Resultados semelhantes foram relatados em testes prévios realizados com camundongos. Os cientistas observaram que os depósitos de amiloides no cérebro dos ratos foram com o tratamento à base de aducanumab. Até o presente momento, a Ciência não está inteiramente certa sobre o que causa a doença de Alzheimer, mas, há um consenso de que ela possa resultar de um acúmulo de dois tipos de lesões no cérebro: depósitos de amiloides e emaranhados neurofibrilares.

Os depósitos de amiloides se assentam sobre os neurônios como um agrupamento denso de moléculas beta-amiloide. Os emaranhados fibrilares, por sua vez, são causados por proteínas defeituosas que se aglomeram formando uma massa espessa e insolúvel no interior dos neurônios.

Ambos os casos fazem com que ocorram interrupções no transporte de nutrientes essenciais para o cérebro. Esse declínio pode causar a perda da memória cognitiva, associada ao Alzheimer. Tais teorias ainda são extremamente debatidas entre os cientistas. No entanto, o novo estudo sugere que ao eliminar os depósitos de amiloides, podemos ter uma chance de parar a progressão da doença.

Contudo, há de se considerar que os testes foram realizados em um pequeno número de participantes, então as notícias devem ser tidas como “cautelosamente otimistas”. Até o momento, os resultados não foram replicados por um período maior de observação e conjunto de amostras mais diversificado – e para isso a equipe já recrutou mais de 2.700 participantes de 20 países diferentes para um estudo de 18 meses.

Os resultados serão divulgados em 2020, e até lá, podemos apenas ficar animados com o incrível potencial da droga. Os resultados foram publicados na revista Nature.

[ Science Alert ] [Fotos : Reprodução / Ayres, Michael/Sevigny et al/Nature ]

Jornal Ciência